Evandro Santo foi entrevistado por Fábio Porchat no “Programa do Porchat”, da Record TV, dessa quinta-feira à noite (17) e falou sobre a infância, o passado no “Pânico na TV” e a demissão da Band, na semana passada.

Demissão da Band

Evandro Santo foi um dos poucos remanescentes do “Pânico”. Ele continuou na Band porque já havia uma aproximação e conversas entre ele e Cátia Fonseca [VIDEO], que deixou a Gazeta para apresentar o “Melhor da Tarde” na emissora, em março.

Evandro, que ficou famoso nacionalmente pelo personagem Cristian Pior, do “Pânico”, atuou como repórter do programa, mas seu humor parece não ter agradado e ele acabou demitido.

Na conversa com Porchat, o humorista afirmou que chorou por dois dias após a demissão [VIDEO], mas logo depois saiu cantando e dublando Madonna e descobriu que a vida é bela.

De acordo com Evandro, ele sempre teve o sonho de fazer um programa feminino à tarde, e agarrou a oportunidade quando foi convidado para o “Melhor da Tarde”. “Não deu certo porque tenho um estilo único, algo mais debochado”, explicou.

Infância em Minas Gerais

Evandro Santo nasceu em Uberaba, interior de Minas Gerais, e contou que sofria muito na escola quando era adolescente por ser gay. Ele afirmou na conversa com Porchat que levava “goiabas” (tapas) na cabeça na saída da escola.

Ele foi expulso de casa muito cedo e, por conta disso, sempre teve problema de relacionamento com a mãe. Pelo que contou na conversa com Porchat, a situação ainda não foi totalmente resolvida entre eles e essa relação foi estopim para um grande problema no “Pânico”.

Humorístico foi atrás da mãe de Evandro Santo

Em uma reunião de pauta do programa, sugeriram que Evandro Santo fosse escalado para uma matéria de Dia das Mães. Ele não queria por conta do problema de relacionamento com a mãe.

Dias depois, um amigo de Uberaba ligou e informou a Evandro que sua mãe estava em São Paulo. O humorista descobriu que o “Pânico” estava por trás disso e não gostou.

Ele não foi à gravação e a mãe dele voltou para Minas. Depois disso, ele alega ter sofrido um certo boicote no programa. “Fui colocado na geladeira”, explicou o humorista.

No linguajar televisivo, ser colocado na geladeira é o mesmo que ser afastado, que não trabalhar mais. Para mudar o rumo da história, Evandro sugeriu que fizessem um quadro procurando seu pai. “Nem assisti a matéria, e percebi ali que estava me prostituindo para conseguir atenção”, disparou Evandro Santo. Agora, ele está desempregado, mas parece muito feliz.