Afastado da vida pública, dos programas de televisão e das entrevistas reveladoras que concedia, Luiz Gasparetto morreu no último dia 03/05, vítima de câncer no pulmão.

Sua página no Facebook deu a notícia derradeira, mas nada foi escondido, visto que em fevereiro de 2018, ele disse que estava com câncer.

Com 13 anos de idade, Gasparetto manifestava os primeiros sinais de mediunidade e daí então não parou por quase 50 anos. Deu palestras, publicou cerca de 30 Livros com a temática direcionada para a espiritualidade e autoajuda, vendeu por volta de um milhão de exemplares – segundo o que se informa em seu portal oficial.

Nessa saga, deu várias palestras pelo Brasil e por várias cidades do mundo.

Tais atitudes de expansão e comunicabilidade surgiram durante os anos 70, período em que foi rodar o mundo. Nessas experiências, descobriu que médiuns apareciam na televisão, faziam sessões públicas de psicografia e discorriam sobre terapias alternativas e autoconhecimento.

A partir daí, rompeu com o kardecismo praticado no Brasil, mais reservado. Desenvolveu mais embates com a tradição do espiritismo ao tratar de assuntos espinhosos como dinheiro e sexualidade.

Seu ponto de vista consistia na harmonia natural entre riqueza e espiritualidade.

Não aceitava a moral conservadora dos médiuns brasileiros e declarava que os espíritos tinham mensagens libertadoras. Praticou o que chamava de “espiritismo da nova era”, aliando preceitos da religião fundada por Allan Kardec com outras técnicas místicas como a astrologia, o tarô e a cromoterapia.

Entre os anos de 2005 e 2008, Luiz Antônio Alencastro Gasparetto apresentou um programa denominado “Encontro Marcado”, o qual foi ao ar pelo canal Rede TV!

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Famosos Literatura

O objetivo do programa era apaziguar e solucionar questões e brigas de casais ou familiares.

No Facebook, ele postou um vídeo contando como estava convivendo com a doença. Visivelmente mais magro, disse que não tinha medo da morte e admitia que o câncer havia trazido uma certa “escuridão” sobre ele. Ele continua seu depoimento, no qual que faz uma reavaliação de tudo, de seu cotidiano e de seu futuro.

Revelou que chegou a tomar morfina para aplacar as dores. Declarou que ultimamente não tomava remédios e não sentia nenhuma dor.

A única coisa que o perseguia era a culpa, reconhecendo que contribuiu para a expansão do câncer. Mas preferia não pensar nisso, pois segundo palavras do próprio Gasparetto, a culpa só deprime e é escuridão.

Cremação

Seu corpo foi cremado às 15 h de sexta-feira, 4 de maio, no Memorial Parque Paulista, localizado na cidade de Embu das Artes (região metropolitana de São Paulo). A cerimônia do velório foi aberta ao público. Porém, a família pediu para fixar um limite máximo de visitas no salão do velório.

Assim, admiradores e pessoas entrariam aos poucos sem tumultuar o local.

A mãe do médium e espiritualista, Zíbia Gasparetto, de 91 anos, permanece internada em hospital da cidade de São Paulo com câncer no estômago. Ela também é conhecida por escrever livros psicografados contando histórias com pano de fundo espiritual. Ela já soube da notícia da morte de seu filho, Luiz.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo