Talvez por associar todo evangélico à Igreja Universal do Reino de Deus, ligada a concorrente Record TV, a Rede Globo costuma derrapar quando o assunto é abordar personagens da religião que mais cresce no Brasil e já é professada por 42 milhões de pessoas, segundo dados do IBGE divulgados em 2010.

Na novela “Segundo Sol”, folhetim das nove da noite que estreou na última semana, a emissora aposta na força dos orixás – parte da história se passa na Bahia – e polemiza com os evangélicos.

Na trama, Agenor (Roberto Bonfim) é casado com Nice (Kelzy Ecard) e tem duas filhas: Maura (Nanda Costa) e Rosa (Letícia Colin) [VIDEO]. Segundo o site TV Foco, cada uma das filhas da família evangélica esconde um segredo.

Agenor é um homem grosseiro, que trata a esposa praticamente como uma empregada, e isso faz com que a filha Maura pegue nojo dos homens e se torne lésbica por conta do comportamento do pai.

Ela é a filha mais velha do casal Agenor e Nice e se relacionará com uma mulher casada, Selma (Carol Fazu). Rosa, irmã de Maura, diz aos pais que trabalha em um call center. Na verdade, ela é prostituta em um site de leilões de luxo.

Família problemática

Há famílias evangélicas que são problemáticas na vida real, como também há famílias de qualquer religião que apresentam problemas. O curioso, no caso dos evangélicos, é que a emissora deixa claro a religião dos personagens e nenhum evangélico tem uma vida normal em Novelas da Rede Globo. São sempre pessoas fanáticas, maldosas e perdidas [VIDEO].

Personagens evangélicos em novelas da Rede Globo

Em 1995, quando a Igreja Universal apresentava um crescimento que preocupava a Rede Globo, a emissora lançou uma série chamada “Decadência”, claramente inspirada em Edir Macedo, personagem interpretado pelo ator Edson Celulari.

Em 2009, na novela “Duas Caras”, havia uma evangélica chamada Edivânia. Ela era uma beata radical, com comportamento pouco cristão, que criticava até mesmo o pastor de sua igreja.

Na novela “Avenida Brasil”, de 2012, maior sucesso da emissora nos últimos anos, a personagem Dolores (Paula Burlamaqui) era uma ex-atriz de filmes pornográficos que se tornou evangélica. Até aí, nada de anormal. O que revoltou os evangélicos à época foi o fato de a personagem se despir na frente do ex-marido em uma das cenas e manter relações sexuais com ele.

Em 2015, na novela “A Regra do Jogo”, Cris Viana interpretou uma personagem evangélica que largou o marido e previa o futuro na borra de café.

Além das novelas, programas de humor como “Tá no Ar” costumam zombar da fé cristã evangélica em diversas esquetes.