O ator Alexandre Frota foi condenado pelo Tribunal Regional Eleitoral do Distrito Federal a pagar uma multa no valor de R$ 5 mil por ter propagado uma notícia falsa na internet. Segundo reportagem publicada no jornal O Estado de S. Paulo na tarde desta sexta-feira (21), o ator foi responsável por postar uma publicação no Facebook na qual o deputado federal Chico Leite (Rede-DF) pedia a prisão do juiz Sérgio Moro.

Na postagem, Chico Leite dizia: “eu quero a prisão do juiz Sérgio Moro em 24 horas”, enquanto que nos comentários Frota criticava o político dizendo: “querer não é poder e fica querendo, canalha”.

Publicidade

Divulgada na rede social no último dia 15 de julho, a postagem de Alexandre Frota trazia uma arte com a imagem de Chico Leite com as falas que pediam prisão de Sérgio Moro, logo abaixo, Frota dizia para os internautas não votarem em Chico Leite, que nesta eleição concorrerá a uma vaga no Senado.

Juízes deram o veredicto de notícia falsa e ofensiva

Em julho, Alexandre Frota, que também concorre nesta eleição a uma vaga no Congresso Nacional pelo PSL, já havia sido intimado pelo desembargador Carlos Divino Vieira Rodrigues, do Tribunal Regional Eleitoral do DF, a apagar a postagem que foi configurada como notícia falsa.

O juiz considerou que o ex-ator global estava fazendo “propagação de notícia falsa”.

No julgamento do processo, o desembargador Héctor Valverde sustentou que a publicação trouxe grande prejuízo à imagem de Chico Leite e que ‘infringe o direito de igualdade, que deve nortear a disputa eleitoral’.

Os desembargadores também analisaram as postagens antigas de Chico Leite e informaram que o deputado já havia se posicionado em ocasiões anteriores de modo favorável a Moro e à Operação Lava Jato.

Postagem de Frota foi apagada imediatamente após intimação

Após a intimação, a postagem de Alexandre Frota foi apagada de imediato na internet.

Publicidade

A alegação da defesa do ator foi a de que o post apenas foi compartilhado e que Frota nem ao menos conhece o deputado Chico Leite. Segundo reportagem do portal G1, Frota estava com problemas na sua linha telefônica no dia da publicação devido a uma viagem que estava fazendo e por esse motivo não apurou a veracidade da informação, a partir daí apenas compartilhou a informação, no entanto, apesar da informação falsa, apagou a mesma de imediato após a intervenção judicial.