Anamara Cristiane de Brito Barreira ganhou um processo na Justiça contra uma boate de Goiânia. Ela deve ser indenizada em R$ 12 mil por danos morais após relatar que foi agredida por seguranças da casa noturna Boate Woods, em Goiânia. O caso ocorreu em 2014 e, segundo Anamara, ela teria se desentendido com um dos frequentadores do local que a teria assediado. Seguranças levaram ela para uma sala isolada e a agrediram, de acordo com seu depoimento.

O desembargador Fausto Moreira Diniz do Tribunal de Justiça [VIDEO] do Estado de Goiás foi quem se decidiu sobre o caso. A defesa da boate alega que as discussões ocorridas, na época, foram provocadas pela ex-participante do BBB.

Segundo a defesa da casa noturna, se forem analisar os documentos anexados e depoimentos das testemunhas, nota-se que não há nenhum vestígio provando qualquer dano físico tais como: exame de corpo de delito, já que, ela teria sofrido várias agressões. Para os advogados, não é verdade as agressões e a casa pode recorrer.

Após a decisão da Justiça de Goiás, até o momento nem Anamara e nem a boate se pronunciou sobre o caso.

Relatos da ex-BBB

Tudo aconteceu no dia 25 de agosto de 2014 às 3h na Boate Woods, que atualmente está desativada. Segundo informações de Anamara, ela estava em um camarote junto com uma amiga. De repente, um homem bêbado pediu uma foto para ela e a agarrou pelo braço, tentando abraçá-la.

Ela se esquivou do homem e se afastou. Nesse momento, ele teria começado a xingar ela e conforme seus dizeres, a humilhado.

Diante desta situação, uma outra amiga da jovem foi em sua defesa e a coisa começou a piorar. Um dos seguranças da boate pegou Anamara pelos braços e a levou a uma sala isolada.

Nessa sala, três funcionários da boate começaram a dizer que ela havia agredido uma funcionária do local. Entretanto, ela negou dizendo que não tinha agredido ninguém e muito menos começado a confusão.

Emboscada

Segundo a ex-BBB [VIDEO], ela se sentiu numa emboscada e ficou com medo. A sua reação foi gritar para que tirassem ela dessa sala. A chefia da segurança chegou e determinou que ela fosse retirada pelos fundos. Ela se sentiu como se fosse uma "criminosa".

Ela ainda relatou que no momento em que saía da salam foi atingida por um soco nas costas e acabou caindo da escada e machucando o joelho.

O desembargador analisou o processo e viu que Anamara foi vítima de abalo emocional e condenou as supostas agressões sofridas por ela. Segundo ele, tudo foi passível de um desequilíbrio de bem-estar e por isso, tomou essa decisão.