Autor do rit “Um Tapinha Não Dói”, que foi um verdadeiro estouro no início da década passada, mas que atualmente geraria ondas de protestos e boicotes, o cantor Mc Baldinho BP morreu na última quinta-feira (6), [VIDEO] aos 41 anos de idade, vitimado por problemas renais. Ele estava internado no Hospital Estadual João Baptista Caffaro, na cidade de Itaboraí, região metropolitana Rio de Janeiro. Aguinaldo Timotio Alves, verdadeiro nome do artista, era pai de dez filhos e estava fazendo tratamento em razão de sofrer de uma insuficiência renal e chegou a postar fotos nas redes sociais.

“Descanse em paz, MC Naldinho! Luto no Funk", disse o comunicado postado pela produtora Furacão 2000 no Facebook, que disse ainda que Mc Naldinho era “dono de uma voz inconfundível e dos Hits mais bombados dos anos 90”.

Ele também é creditado como um dos autores da “Dança da Motinha”, outro rit a estourar no começo dos anos 2000, com Mc Beth.

Uma das filhas do cantor, Kayane Alves, também usou as redes sociais para lamentar a morte de seu pai. “Apesar de fisicamente não estar presente, você sempre esteve comigo nas minhas orações”. Ela lembrou ainda o momento que tinha o ido visitar e ele não acreditou que ela estava lá. Kayane fez ainda outra publicação, postando uma foto onde aparecia ao lado de Naldinho. “Amo para sempre, meu velho”, escreveu.

Recentemente, o programa Balanço Geral, da Record TV [VIDEO], havia feito uma longa reportagem, mostrando o drama do cantor, que estava internado há dois meses e contava com a ajuda de amigos para custear seu tratamento.

Música polêmica, processo, depressão e drogas

Foi pela produtora, que Naldinho lançou, em 2000, dentro da coletânea “Tornado Nervoso”, a música “Tapinha”, cujo polêmico refrão diz “um tapinha não dói”.

A música dividiu opiniões e em 2008 a produtora foi condenada a pagar multa de 500 mil reais por conta da música. A ação havia sido ajuizada cinco anos antes, pela Themis – Assessoria Jurídica e Estudos de Gênero e pelo Ministério Público Federal. A Furacão 2000 recorreu, e, em 2013, foi absolvida.

A música tocou em outros países da América Latina e também ganhou versões em outras línguas. Após o fim da dupla com Bela, a fama já não era mais a mesma e a queda o artista entrou em depressão e chegou a usar drogas. Em 2015, o artista descobriu que tinha problemas renais. O processo que foi movido por conta da música também contribuiu para agravar o estado de depressão do cantor.