Conhecida também por conta de seu ativismo na luta de defesa dos Animais, a apresentadora [VIDEO]Luisa Mel foi uma das convidadas de Serginho Groisman no programa “Altas Horas”, da Rede Globo, exibido no último sábado (8). Em determinado momento da atração, o apresentador global acabou por revelar o verdadeiro nome da artista, que explicou a razão pela qual adotou o nome artístico.

Durante a conversa, Groisman disse que ela na verdade se chamava Marina e adotou o nome de Luisa em homenagem a sua avó, falecimento da qual presenciou. A apresentadora lembrou então o momento difícil da adolescência pelo qual passou ao ver sua avó ser atropelada e morrer na frente da casa onde morava.

“Digam muito para as pessoas que vocês amam”, disse ao se recordar a avó. “A gente nunca sabe quando pode ser a última vez”, seguiu a apresentadora visivelmente emocionada e afirmando que seus cachorros lhe ensinaram muito sobre isso.

Sobre Mell, que acompanha seu primeiro nome, Luisa – que na verdade se chama Marina Zatz de Camargo -, disse que a ideia surgiu quando ela começou sua carreira na televisão. Ela lembrou esse apelido vem ainda dos tempos de infância, quando vendia pão de mel no bairro paulistano do Bom Retiro. “E aí começa todo o meu trabalho em relação aos animais”, contou.

Relação com animais e tentativa de suicídio

Ainda criança Marina, ou Luisa, sempre quis ter um cachorro, mas seu primeiro bicho de estimação foi adotado apenas quando ela tinha 18 anos e por “culpa” de sua irmã.

Isso porque sua mãe havia lido um artigo onde dizia que cães era bons para auxiliar no comportamento de pessoas hiperativas.

O ativismo na defesa dos animais começou quando ela foi gravar seu primeiro programa, na zoonoses, em São Paulo, onde descobriu que animais pegos nas ruas eram sacrificados, o que, segundo ela, mudou sua vida. “Ali, eu jurei que ia dedicar a minha vida a mudar aquela situação”, disse a ativista, afirmando ainda que aquilo era “literalmente o corredor da morte”. Desde então ela conseguiu importantes conquistas em sua luta, como uma lei no Estado de São Paulo, que proíbe a eutanásia em animais saudáveis.

No programa ela também falou sobre seu livro, chamado “Como os Animais Salvaram Minha Vida”, lançado em fevereiro último, onde, dentre outras coisas, revelou [VIDEO] que tentou suicídio quando estava perto de completar 30 anos, além de sua relação com os animais. “Agora estou prestes a completar 40 e estou vivendo um momento maravilhoso. Graças a Deus eu não fiz aquilo”, disse ela.