O principal narrador esportivo da Rede Globo, que anunciou que pretende se aposentar muito provavelmente na próxima Copa do Mundo, agora vê seu salário sendo reduzido pela emissora carioca onde trabalha há muitos anos.

O narrador esportivo, que ganha um salário milionário, terá que se contentar com um salário mensal quase três vezes menor do que recebe atualmente.

Corte de gastos

A Rede Globo fez um planejamento para cortar gastos da empresa e para isso terá que reduzir os salários milionários dos veteranos do canal.

Publicidade

Galvão Bueno, que está na emissora há muitos anos e recebe atualmente um salário de 1 milhão e 500 mil reais, terá o seu salário reduzido para, no máximo, 600 mil reais; o que representa quase um terço do que recebe como pagamento mensal.

Porém, a decisão somente entrará em vigor no próximo ano (2019). O narrador, para continuar na emissora, terá que aceitar o novo salário através de um acordo que será firmado no começo do próximo ano. Inclusive, Galvão Bueno está com o contrato prestes a vencer na emissora.

A medida foi uma decisão de Roberto Marinho Neto, que é herdeiro da Rede Globo, que está sendo preparado para comandar a emissora.

Corte de salário para outro narrador esportivo

Mas não é só o Galvão Bueno que terá que aceitar a redução salarial. Como já foi dito, outros veteranos da empresa também terão que assinar um novo acordo e terão o pagamento mensal modificado. Outro narrador experiente na emissora que terá o salário reduzido será o Cléber Machado. Ele recebe atualmente um salário de 500 mil reais e passará a receber um pagamento mensal de 250 mil reais; ou seja, metade do que está faturando no canal carioca.

A decisão drástica da emissora de reduzir o salário dos veteranos e principais colaboradores já no próximo ano pode dar a entender que existe uma crise de ordem financeira dentro do canal, principalmente por diminuir o salário de um narrador esportivo muito experiente que já esteve a frente da narração de várias Copas do Mundo, de diversas corridas da Fórmula 1 e de vários jogos esportivos importantes, principalmente decisões, mas pode ser apenas um reajuste para que algumas mudanças importantes sejam feitas dentro da empresa que ainda é líder de audiência no país, mas tem que lidar com a concorrência dos serviços de streaming como a Netflix que tem muitos assinantes no Brasil e no mundo todo.

Publicidade

Para lidar com essa pressão da concorrência, a emissora também está investindo em produções artísticas em outras mídias, como a Globoplay. E para isso terá que fazer os necessários cortes de gastos.