Na última quinta-feira, o portal especializado Deadline anunciou a estreia de "The Mule (A Mula em tradução livre)", novo longa-metragem dirigido pelo lendário Clint Eastwood, que ocorrerá no dia 14 de dezembro, nos Estados Unidos. Clint também atuará no Filme, encarnando Leo Sharp, um horticultor premiado e veterano da segunda guerra mundial, detido por transportar uma quantia equivalente a US$ 3 milhões em drogas para o Cartel mexicano em sua caminhonete, no estado de Michigan.

Publicidade
Publicidade

Bradley Cooper também faz parte do elenco, no qual interpreta Colin Bates, um agente do Departamento de Narcóticos. A Warner será responsável pela distribuição do longa. Ainda não há previsão de estreia para o Brasil.

Este será o segundo projeto de Bradley Cooper com Clint Eastwood, que anteriormente trabalharam em "Sniper Americano (2015)", que foi um sucesso de bilheteria e obteve indicações ao Oscar de melhor filme e melhor ator para Cooper e levou a estatueta como melhor edição de som.

Clint é tido como um dos ídolos de seu país

No alto de seus 88 anos, Clint Eastwood é, indiscutivelmente, um dos maiores nomes do Cinema em todos os tempos. Construiu uma carreira aclamada como ator e diretor, além de ser um notável roteirista e compositor. Recebeu um total de 8 nomeações ao Oscar, conquistando as estatuetas por melhor filme e melhor diretor em "Os Imperdoáveis (1992)" e "Menina de Ouro (2004)", nos quais também recebeu indicação como melhor ator.

Publicidade

Sua popularidade começou a ser construída através de faroestes, como a famosa "Trilogia dos Dólares", dirigidos por outro lendário cineasta, Sérgio Leone. Os westerns talvez sejam sua principal marca. Mais tarde, Clint passou a escrever e dirigir seus próprios Filmes, atuando em grande parte deles.

Considerado um símbolo da masculinidade, também mostrou engajamento na política, onde é membro do partido republicano desde 1951, considerado uma das figuras mais influentes do partido.

Apesar de ter uma carreira sólida, o cineasta também tem recebido algumas críticas por focar excessivamente no patriotismo em seus filmes, apresentando uma visão "americanizada" da história, abordando, sobretudo, eventos ocorridos em guerras. A grande expectativa por seu trabalho é gerada justamente por apresentar algo diferente de seus últimos longas.

De qualquer forma, devemos aproveitar ao máximo este que poderá ser um de seus últimos trabalhos no cinema.

Publicidade

Leia tudo