Regina Casé e a Rede Globo foram condenados nesta terça-feira (30), pelo Tribunal de Justiça de São Paulo, a indenizar o pai de Guilherme da Silva Miranda em 2 milhões e meio de reais após exibirem imagens do menino no programa Esquenta sem a autorização de seus responsáveis. A apresentadora, em 2015, abordou o pequeno, que tinha oito anos, no Hospital Boldrine em Campinas, e o entrevistou exibindo o conteúdo da gravação em seu programa. Guilherme que está internado lutando contra um câncer, morreu dias depois em que a matéria foi ao ar no dominical da Rede Globo, na época.

Publicidade

A sentença

As informações sobre o processo e a condenação de Regina Casé e da Rede Globo foram dadas pelo jornalista Leo Dias durante exibição do programa Fofocalizando, de hoje (30), transmitido pelo SBT. Na ocasião, o apresentador contou que a entrevista que foi exibida no Esquenta, explorou por 12 minutos a imagem de Guilherme, sem autorização, o que teria causado sofrimento à família que lutava junto do garoto contra um câncer.

Ainda segundo o jornalista, que também publicou o caso em sua coluna no O Dia, a sentença informou que foram exploradas as imagens da criança de forma indevida com a finalidade de entretenimento.

Cindo dias após a reportagem ser exibida no programa da Globo, o menor acabou falecendo vítima de um câncer agressivo.

O pai da criança contou que teve sua privacidade invadida depois que pessoas que assistiram o programa passaram o abordar nas ruas. Por decisão judicial, a Rede Globo deve retirar de seu site qualquer reportagem que ainda esteja vinculada a imagem de Guilherme.

De acordo com o Tribunal, Regina Casé e a emissora estão condenadas por danos morais e uso indevido da imagem de um menor e deverão pagar mais de 2 milhões de reais por danos morais e uso indevido da imagem de uma criança. Segundo informou Leo Dias, embasado na sentença, ainda cabe recurso para os condenados.

Publicidade

A resposta de Regina Casé

Apresentando o outro lado da história, Leo Dias trouxe a resposta de Regina Casé [VIDEO] em relação ao processo que está sofrendo junto da Rede Globo. Em depoimento a apresentadora afirmou que não faz parte de sua função como contratada da emissora, averiguar se as crianças que participavam de seu program havia sido autorizadas pelos responsáveis.

Falando diretamente sobre o caso de Guilherme, Regina contou que mesmo se tivesse existido algum tipo de problema relativo à exibição do menor, acreditaria que os pais do menino não iriam se opor, uma vez que os dois continuaram mantendo contato com ela e chegaram a participar do programa Esquenta de fim de ano mesmo após a morte do menino, onde teria sido exibido uma retrospectiva da história do pequeno.