A jornalista Zileide Silva voltou a ganhar as redes sociais nesta quinta-feira (15) por conta de uma gafe cometida quando apresentava o Jornal Hoje, da Globo. Ao dar a última informação antes do encerramento do telejornal da hora do almoço, a apresentadora acabou se atrapalhando e simplesmente desistiu de seguir com a informação.

Depois de um repórter ter encerrado uma participação externa que fazia ao vivo, em jornalismo chamado de link, a transmissão voltou para o estúdio, quando Zileide, já de pé, começou a iniciar os nomes de dois novos componentes do futuro governo do presidente eleito Jair Bolsonaro.

Publicidade

“Uma última informação. Foram divulgados agora há pouco os nomes de novos integrantes...”, porém antes de dizer o primeiro nome, ela se corrigiu, afirmando que as informações ainda seriam apuradas e divulgadas assim que fosse possível.

Passados alguns minutos, Zileide voltou ao ar, ao vivo durante um intervalo comercial, para completar a informação que havia ficado pela metade anteriormente.

A nova gafe da jornalista gerou uma série de comentários nas redes sociais. Alguns disseram que ela foi trolada pelo teleprompter, equipamento que exibe o texto a ser lido pelo ancora de um telejornal.

Já outros relembraram outro episódio, ocorrido com ela, alguns anos atrás, no mesmo Jornal Hoje.

Em 2008, a jornalista perdeu sua lente de contato no meio da exibição de uma reportagem e não conseguiu mais ler o que estava escrito no teleprompter. “Me perdi aqui, desculpe. Vamos tentar. Gente não dá”, dizia ela com os olhos arregalados e olhando para os lados, como se estivesse procurando ajuda. No último dia do ano passado, ela voltou a passar apuros ao vivo na bancada do JH, quando um problema técnico impediu a entrada ao vivo de um repórter, que falaria do movimento das estradas no feriado.

Publicidade

Os nomes dos escolhidos

Os nomes dos escolhidos para o novo governo de Jair Bolsonaro são Roberto Campos Neto e Mansueto Almeida. O primeiro será o novo presidente do Banco Central, enquanto que o segundo seguirá como secretário do Tesouro Nacional, cargo que ocupa desde abril deste ano.

Campos Neto é economista e diretor do banco Santander. Nesta semana, ele já havia sido visto no centro de transição de Brasília. Para poder assumir o cargo, ele –que é neto do economista Roberto Campos, defensor do estado minimalista–, ainda terá que ser submetido a uma sabatina da Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal.