Os sogros de Márcia Martins Miranda, de 41 anos, Fernando Antonio Martins de Oliveira e Maria Izilda Pereira Miranda, foram presos em 18 de outubro, após serem acusados de matá-la. A mulher foi vista pela última vez em frente a uma agência bancária, posteriormente teria entrado no carro dos suspeitos e jamais foi vista novamente. Segundo a Polícia, a esposa do filho do casal foi levada até uma casa alugada, no mesmo bairro onde a família morava, e lá teria sido vítima de um crime cruel. A casa seria alugada para a mulher morar com os filhos.

Publicidade

Márcia estava em processo de separação e os avós estariam tentando manter os netos mais próximos. Entretanto, o que se descobriu depois foi o planejamento de um crime bárbaro.

Para corroborar com a versão da polícia, um corpo foi encontrado no quintal da casa alugada, supostamente para abrigar a nora e os netos. O mesmo estava em uma cova de cerca de 1,5 m, no fundo da casa. A polícia ainda relatou que os suspeitos teriam feito uma laje sobre a cova.

Assim que a polícia identificou o corpo, ele foi levado ao IML (Instituto Médico Legal), para que a perícia identificasse se seria mesmo de Márcia.

Na última quarta (7), a identificação foi positiva. A confirmação da identidade aconteceu pela comparação das digitais. Ao G1, a assessoria de imprensa da Secretaria Pública do Estado de São Paulo confirmou que os papiloscopistas da Polícia Civil usaram um sistema chamado AFIS e concluíram se tratar de Márcia. O cadáver foi encontrado na última segunda (5).

Sogros são suspeitos de planejar o crime em detalhes

Segundo o delegado do caso, Dr. Mário Sérgio, os senhores tiveram tempo de planejar todos os detalhes do crime.

Publicidade

Inclusive, a casa alugada nunca teve o propósito de abrigar os netos e a nora, e sim, servir como palco para um crime bárbaro.

“A premeditação desse crime nos é muito clara. Os criminosos cavaram muito fundo. Além de depositarem o corpo, fizeram uma laje”, disse a autoridade.

A motivação seriam os próprios netos. O delegado revela que os avós tinham verdadeira obsessão pelas crianças e não estariam sabendo lidar com a separação da nora e seu filho, fato que os afastaria dos dois.

Morte cruel

Ainda segundo a autoridade, a mulher levou uma pancada na cabeça, por trás, e depois existem duas hipóteses.

Ou Márcia teria sido enterrada viva, ou asfixiada antes da morte. De todo modo, a investigação vai revelar o que aconteceu. A polícia aguarda os laudos.

Mais crimes bárbaros

Casal é preso em SP suspeito de enterrar viva e matar a própria nora

Caso Daniel: investigação descarta abuso e classifica motivo do crime como torpe e fútil

Caso Daniel: moto de luxo que Juninho Riqueza usava está em nome de traficante