Após várias mulheres terem ido ao programa Conversa com Bial, da Rede Globo, acusar o médium famoso João de Deus de abuso sexual, outras supostas vítimas acabaram aparecendo para fazer novas denúncias contra ele. Neste domingo (9), o jornal O Globo recebeu o relato de uma 15ª mulher que afirmou ter sido abusada pelo médium.

A gaúcha, de 36 anos, disse que foi vítima do religioso por volta dos anos de 2013 e 2014. Ela não soube dizer a data exata. De acordo com ela, o religioso a levou para um tipo de "hospital espiritual" em Abadiânia (GO).

Publicidade

Ela falou que o médium fez um gesto de abaixar a cabeça como se estivesse recebendo uma entidade. Em seguida, começou a passar a mão pelo corpo dela. Ela disse que viveu um grande pesadelo e pensava que iria morrer ali.

A gaúcha contou que era a primeira vez que estava indo ao local para buscar a cura de uma doença. Ela recebeu ótimas indicações de sua chefe e decidiu ir lá para buscar ajuda. No começo, ela falou que ficou admirada com o lugar, onde relata ter feito muitas amizades. Entretanto, depois do que aconteceu, não pretende voltar nunca mais.

Impulsionada por amiga

Uma amiga que ela teria conhecido lá comentou que a gaúcha deveria entrar numa sala com o médium, onde seria feita uma limpeza nela. Segundo a vítima, ela nunca tinha entrado nesta sala e ela suspeitava que era porque ele sabia que ela desconfiava de algumas coisas. Mesmo assim, certo dia, ele pediu para ela entrar na sala.

A sala era bem fechada e tinha uma porta de vidro com uma cortina. As pessoas que passavam na rua não conseguiam enxergar o que acontecia lá dentro.

Após mostrar que teria incorporado uma entidade, o religioso pediu para que ela se deitasse em um colchão que estava no chão, e começou a acariciá-la.

Publicidade

Desconfiada, a vítima perguntou como se chamava a entidade que estava lá e a resposta foi "Joaquim". Para ela, ele inventou aquele nome naquele momento. Enquanto ele ia passando a mão pelo corpo dela, inclusive nos seios e na genitália, falava que ela iria melhorar, pois precisava ser curada.

'Achei que fosse morrer'

A gaúcha disse que depois foi colocada em um corredor estreito e teria ficado de costas para o médium. "Achei que fosse morrer", disse ela, segundo a qual ele pegava suas mãos e colocava sobre suas partes íntimas e rebolava.

"Foi uma meia hora de pesadelo."

De acordo com a gaúcha, após João de Deus ver que ela estava cética com tudo isso, teria a expulsado da sala. Ao sair de lá, a amiga perguntou o que ela tinha achado, e a resposta foi que tinha sido horrível.

A 15ª mulher que acusou o médium de abuso, acredita que ele fez lavagem cerebral em sua amiga, pois, ela teria lhe contado que se sentiu como se fosse mulher do religioso.