O colunista Ricardo Feltrin, do UOL, trouxe, em uma reportagem publicada nesta segunda-feira, 17 de dezembro, uma série de denúncias envolvendo o nome do Padre Alessandro Campos, que se auto-intitula "o padre sertanejo do Brasil".

Segundo o jornalista, logo após a publicação de uma matéria informando que o Padre era o mais novo contratado da RedeTV!, a coluna começou a receber inúmeros emails e mensagens de pessoas denunciando o sacerdote por ofensas, maus-tratos, ostentação e exibicionismo em redes sociais.

Publicidade

Conforme Feltrin, além de telespectadores indignados, as queixas vieram de pessoas que já trabalharam com o padre em emissoras pelas quais ele já passou, como é o caso da TV Gazeta e da TV Aparecida, além da Rede Século 21 e da Rede Vida. As queixas dos funcionários são relativas a ofensas e maus-tratos por parte de Alessandro.

O jornalista também resgatou diversas reclamações registradas contra o sacerdote no site Reclame Aqui. Dentre elas, uma telespectadora que formalizou uma queixa no canal voltado aos consumidores diz que ''ele não é um padre, mas um cantor sertanejo que está promovendo suas canções que não têm cunho religioso'', além de promover seus produtos para aumentar as comissões.

Outra refere-se a brincadeiras ''bestas e idiotas que denigrem os idosos''. Segundo esse internauta, o programa, que deveria ser de músicas religiosas, trata com desrespeitos as pessoas mais velhas que, segundo ele, são chamadas pelo padre sertanejo de ''velhos e velhas''.

Feltrin também destacou o que um jornalista escreveu, se dizendo chocado com as falas do religioso em um recente programa apresentado por ele na Rede Vida. Segundo postou o jornalista, o padre teria dito que ''na plateia, às vezes, tem uma ou duas (mulheres) bonitas, o resto é tudo bagulho pra despacho''.

Publicidade

Além das denúncias e reclamações online, também há queixas registradas contra ele na Cúria Metropolitana e no Vaticano. Segundo a reportagem do UOL, o motivo são as roupas justas que o padre usa, além de apresentar músicas laicas. ''Ele é padre, mas apresenta na TV um cabaré'', consta em uma das reclamações.

Versão do padre sertanejo

Procurado pelo colunista Ricardo Feltrin, o padre sertanejo nega que tenha ofendido idosas ou destratado funcionários. Segundo ele, o que faz no programa são brincadeiras com as idosas e que as mesmas ''adoram''.

Em relação a questões ligadas à ostentação de relógios caros, joias, carros importados e até helicópteros, o padre sertanejo se defendeu dizendo que ''não fez voto de pobreza''.