A fama é algo buscado por muitas pessoas. No Brasil, o "Big Brother" é um grande atalho para quem deseja ficar famoso da noite para o dia. Nesta quarta-feira (10), a Globo anunciou o nome dos 18 participantes que vão participar do reality show mais assistido da televisão. Como efeito imediato, todos eles ganharam milhares de seguidores nas redes sociais.

Mas se a fama tem um bônus, ela também tem seus ônus. No caso de Alan Possamai, primeiro participante a ser anunciado, já que o anúncio seguiu a ordem alfabética, a situação não foi nada boa.

Publicidade

Internautas resgataram posts antigos do catarinense de 26 anos, natural de Criciúma. O resultado chamou a atenção e causou indignação nas redes sociais.

O catarinense, que cursou comércio exterior e estudou nos Estados Unidos durante a adolescência, teve o passado resgatado e as mensagens foram expostas. Alan, que de acordo com o colunista do UOL Maurício Stycer teve o cuidado de apagar qualquer vestígio de opinião política de seus perfis nas redes sociais, não teria tido o mesmo cuidado com as opiniões consideradas racistas.

"Vejo um preto na rua e já me afasto com medo", escreveu o BBB. A postagem que viralizou foi apagada. Há uma equipe cuidando da rede social do jovem catarinense.

A polêmica não parou por aí. O BBB também está acusado de ser gordofóbico e machista. No dia 15 de março de 2012, ele feria postado que havia pessoas que não se enxergavam e citou que tinha mais gordo falando de gordo. No mesmo dia, com alguns minutos de diferença, ele teria feito uma postagem considera sexista comparando mulheres a quem chamou de damas com mulheres a quem tratou com um adjetivo nada lisonjeiro.

Publicidade

Todas as postagens foram apagadas por sua equipe.

Em outra postagem, de novembro de 2011, o jovem teria criticado o sistema de cotas. Ele teria afirmado que cotas deveriam ser só de consórcio e não em universidade. Para ele, os direitos deveriam ser iguais e para todo mundo.

Polêmica

O colunista do UOL Maurício Stycer analisou que este deve ser o “Big Brother Brasil” mais politicamente correto da história. Levando em conta tudo o que tem circulado nas redes sociais, pode não ser bem assim.

Resta saber qual a opinião de Alan sobre o que comentou no Twitter anos atrás, quando era bem mais jovem e, provavelmente, tinha outra maneira de pensar e enxergar a vida.

Nos últimos anos, o participante ficou marcado pela morte do pai, vítima de hepatite C, em 216. Ele afirma que chora até hoje com a perda de seu pai. Atualmente, mora com a mãe e a irmã.