A última edição do Jornal Nacional no ano de 2018 foi ao ar na noite desta segunda-feira (31) e um dos momentos de maior destaque foi quando o apresentador William Bonner leu uma espécie de desabafo, ao vivo, antes de ir ao ar uma reportagem que falava sobre o poder do abraço.

O jornalista começa dizendo que 2018 não foi fácil para ninguém. No Brasil, segundo ele, todo mundo parecia ter certeza de tudo. Bonner afirmou também que o diálogo entre pessoas com opiniões diferentes era contaminado pelas certezas que cada um demonstrava ter.

Publicidade

O apresentador do Jornal Nacional citou pessoas que saíram das redes sociais por conta da efervescência política que agitou o Brasil durante todo o ano. Ele também lamentou o fato de que pessoas romperam amizades antigas e até deixaram de falar com parentes por conta das discussões acaloradas.

Bonner finalizou seu discurso dando os parabéns para quem não se envolveu em brigas. Se aconteceu, porém, o apresentador sugeriu uma ajudinha da ciência para que se comece o ano novo de forma diferente. Em seguida, entrou no ar a matéria que falava sobre o abraço.

Eleições de 2018 foram marcadas por desavenças

Redes sociais como Facebook, Twitter, Instagram e até mesmo o WhatsApp são importantes ferramentas de comunicação em um mundo cada vez mais conectado, mas elas também podem mostrar o pior do ser humano.

Durante as eleições de 2018, especialmente após o final da Copa do Mundo, até a disputa do segundo turno, entre Jair Bolsonaro (PSL) e Fernando Haddad (PT), no dia 28 de outubro, o clima ficou tenso nas redes sociais.

No WhatsApp, em que o tom é mais familiar, grupos foram desfeitos por conta das discordâncias políticas e estas brigas viraram assunto e pautaram os veículos de imprensa.

Publicidade

Especialistas foram ouvidos para tentar explicar o que estava acontecendo.

Em redes sociais mais abertas, como o Twitter, as discussões também são acirradas porque muitas vezes o discordante de uma determinada opinião é uma pessoa distante, às vezes até um desconhecido. E se já havia briga entre familiares, imagina entre desconhecidos.

Gráficos exibidos pelo portal G1 mostravam que a menção à saída de grupos da família do WhatsApp feitas em outras redes sociais aumentaram consideravelmente no mês anterior às eleições, setembro.

No final de tudo, o candidato Jair Bolsonaro venceu Fernando Haddad no segundo turno das eleições presidenciais com margem de 10 milhões de votos de diferença. Após o resultado oficial ser divulgado, os ânimos se acalmaram, mas continuaram exaltados.