Anúncio
Anúncio

Alguns comentários de participantes do BBB19 estão na mira da Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância do Rio de Janeiro por conta de seu conteúdo racista e de intolerância religiosa. Os brothers Rodrigo e Gabriela estão no centro da polêmica, sendo vítimas constantes de ataques por parte dos participantes Paula e Maycon. O alvoroço nas redes sociais tem sido grande, aumentando a impopularidade dos brothers acusados.

As declarações de Paula e Maycon

Os problemas começaram a se acirrar quando Paula, em conversa com Hariany, afirmou seu medo de que Rodrigo possa, por meio de suas ligações espirituais, fazer algum mal a ela caso a sister o indique ao paredão. Durante o bate-papo, Hariany pediu à amiga que parasse de falar sobre o assunto, alegando que os comentários de Paula poderiam ser mal interpretados fora da casa.

Anúncio

Em outra ocasião, Maycon chorou e disse ter ouvido vozes quando estava próximo de Rodrigo e de Gabriela, que dançavam juntos a música "Identidade", de Jorge Aragão, durante uma das festas do programa. Maycon relatou que as vozes o aconselharam a “não ser como eles”, referindo-se a Rodrigo e Gabriela. Mais a frente, na mesma conversa, Maycon expõe a possibilidade de que Rodrigo tenha feito uma “macumba” para ele, hipótese que é endossada por Paula.

O rebuliço nas redes sociais

O público do programa tem estado cada vez mais atento às declarações dos brothers Maycon e Paula. Veja abaixo algumas das reações no twitter:

A resposta da Rede Globo

Em nota explicativa, a emissora, após ter sido avisada sobre o inquérito aberto pela Delegacia de Crimes Raciais e Delitos de Intolerância do Rio de Janeiro, entrou em contato com o BuzzFeed Brasil, alegando não ter sido notificada.

Anúncio

A nota reitera o compromisso da emissora com a "identidade e com a liberdade de expressão", além de deixar claro que a televisora não compactua com nenhum tipo de preconceito e de discriminação, enfatizando que as manifestações dos participantes do reality são de sua própria responsabilidade.

Também é citada a campanha publicitária "Tudo começa pelo Respeito", no ar na emissora desde 2016, que busca conscientizar a população sobre as demandas das chamadas minorias sociais, enfatizando a necessidade de se respeitar e de se abraçar as diferenças. A campanha tem parceira com entidades como a Unesco, a Unicef, a Unaids e a ONU Mulheres.

A investigação segue em sigilo.