Na última quarta-feira (15), várias cidades do Brasil receberam protestos contra o congelamento na verba da Educação, anunciado pelo presidente Jair Bolsonaro. Através das redes sociais, diversas celebridades se manifestaram. Uma delas foi a atriz global Bruna Marquezine, que foi ao Twitter expressar sua opinião sobre o caso.

Ao compartilhar sua posição com os demais usuários do Twitter, a artista recebeu várias respostas com opiniões a respeito de seu posicionamento.

Um internauta questionou a atriz: "porque essa galera não fez protesto quando os outros governos fizeram os cortes da educação? Que coisa, né?".

Bruna não demorou muito para dar uma resposta. "Que bom que estamos acordando e não estamos nos conformando mais com absurdos como este... esse deveria ser o pensamento", postou a atriz.

No Instagram, Bruna também demonstrou todo o seu apoio aos professores e estudantes ao defender que educação não é gasto, mas sim um investimento.

Liberação depende da reforma da Previdência

Segundo Bolsonaro e o ministro da Educação, Abraham Weintraub, a liberação dos recursos que foram congelados depende da aprovação ou não da reforma da Previdência, que tramita no Congresso. As instituições federais, como universidades e institutos, serão os mais prejudicados com a medida do governo.

Algumas instituições já anunciaram cortes em bolsas, como é o exemplo do Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior), no Rio Grande do Sul. Segundo a instituição, mais 67% das bolsas foram canceladas.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Famosos Jair Bolsonaro

A medida polêmica

Segundo Weintraub, o preisdente Jair Bolsonaro chegou a querer recuar com os cortes na educação, mas após o ministro explicou que não se tratava de um corte, mais sim de um contingenciamento. Bolsonaro então concordou em seguir adiante com a congelamento da verba para a educação.

Na última terça-feira (14), Bolsonaro recebeu líderes de diversos partidos que consideravam uma aproximação ao governo. Nessa reunião, Bolsonaro teria ligado para Weintraub e solicitado que o ministro cancelasse os cortes, mas acabou sendo convencido do contrário.

Polêmica envolvendo Flávio Bolsonaro

Porém, o corte na educação não é a única polêmica envolvendo o presidente Jair Bolsonaro. Nesta quinta-feira (16), ainda em viagem aos Estados Unidos, Bolsonaro disse que a investigação contra seu filho, o senador Flávio Bolsonaro, tem como único objetivo atingi-lo.

Segundo o Ministério Público do Rio de Janeiro, existem fortes indícios de crimes como peculato e lavagem de dinheiro no gabinete de Flávio enquanto ele exercia o mandado de deputado estadual no Rio de Janeiro, entre os anos de 2007 e 2018. A investigação ainda está em curso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo