Há cerca de uma semana uma situação inusitada ocorreu na sede da Rede Globo, no Jardim Botânico, no Rio de Janeiro. Um homem que não teve a identidade revelada, burlou a segurança da emissora, invadindo o local e fazendo a repórter Marina Araújo refém. De acordo com o portal G1, o invasor estava armado com uma faca e exigia ver a jornalista Renata Vasconcellos, apresentadora do "Jornal Nacional". A Polícia militar foi acionada e se encaminhou ao local, onde realizou as negociações com o indivíduo, que também teria pedido para ser filmado ao vivo. Após alguns minutos de conversa, os policiais pediram para que Renata fosse até o local.

Ao ver a jornalista, o homem teria soltado a faca, libertado Marina Araújo e se entregado à polícia. Segundo o jornal O Dia, Marina teria prestado depoimento à polícia e revelado ter sido vítima de atos libidinosos por parte do invasor. A informação foi transmitida por Bruno Tálamo, do programa "A Tarde é Sua", da RedeTV!, que deu supostos detalhes sobre o depoimento da repórter.

Marina teria relatado atos libidinosos

Ainda de acordo com o jornal o Dia, segundo Bruno Tálamo, Marina Araújo teria relatado detalhes sobre o dia da invasão em depoimento à polícia. A repórter teria contado que o sequestrador elogiava sua aparência física, cheirava seu pescoço e pressionava suas partes íntimas contra o corpo dela.

No dia da invasão, seguranças da emissora cercaram o local aguardando a chegada da polícia. Funcionários da emissora ficaram presos no andar onde funciona a GloboNews. O homem pedia a todo tempo para ver a jornalista Renata Vasconcellos, que comemorava seu aniversário exatamente no dia 10 de junho.

O comandante do 23° batalhão da corporação, coronel Heitor Henrique Pereira, compareceu à emissora e conduziu a negociação.

Com a presença de Renata Vasconcellos, o homem decidiu se entregar, pondo fim à tensão instalada dentro da emissora. Nenhuma pessoa se feriu durante a invasão, e o homem foi preso em flagrante e levado até a delegacia.

Nota da Rede Globo

Segundo o portal G1, a Rede Globo emitiu nota sobre o ocorrido e repudiou todo e qualquer tipo de violência.

A emissora negou que a invasão tenha tido alguma conotação política, e afirmou que o ato partiu de uma pessoa com distúrbios mentais. A Rede Globo agradeceu a equipe do 23° batalhão da Polícia Militar do Rio de Janeiro pelo excelente serviço prestado. A emissora elogiou a repórter Marina Araújo, afirmando que ela teria se comportado de forma corajosa e serena, contribuindo para o excelente desfecho da situação. Sobre Renata, a TV Globo afirmou que a profissional teria sido solidária e imprescindível para que tudo acabasse da melhor forma possível.

Siga a página Polícia
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!