Lucas, que a menina de 16 anos estuprada garante que é seu namorado há 3 anos, foi à delegacia do Rio de Janeiro na última sexta-feira (27) acompanhado de seu advogado. O advogado do jogador do time Boavista garante que seu cliente é inocente e é categórico: "Não houve estupro". Ele diz que Lucas sequer estava no local onde os vídeos que rodaram a internet foram gravados. A casa onde o crime aconteceu, garante ele, é um local conhecido por jovens para manter relações sexuais.

O advogado explicou que Lucas e Raí foram para essa casa abandonada com a vítima de 16 anos e mais uma menina. De acordo com ele, Lucas se relacionou com a outra menina, enquanto Raí se relacionou com a vítima do caso, porém tudo o que aconteceu foi consensual.

Publicidade
Publicidade

Após a relação, Lucas teria ido embora, mas a menina resolveu ficar. O advogado garante que até aí nada do que foi divulgado havia acontecido.

Ele diz ainda que seu cliente não tem envolvimento com tráfico de drogas e nada teve a ver com o que aconteceu. Segundo ele, Raí foi o responsável por gravar e divulgar o vídeo. Raí, por sua vez, admite que tudo foi registrado em seu celular, mas afirma não ter sido o responsável pelas gravações e divulgação; o jovem diz que um traficante gravou usando o seu celular e divulgou nas redes sociais.

No vídeo, a jovem aparece inconsciente. A defesa dos jovens diz, entretanto, que ela estava dormindo durante as gravações. De acordo com o advogado de Lucas, Raí enviou o vídeo para um colega, e essa pessoa foi a responsável por espalhar tudo nas redes sociais.

Publicidade

O profissional explica ainda que o que um dos homens falou sobre "mais de trinta engravidou" [sic] e que criou polêmica na internet na verdade é uma referência a uma música de funk, e nada tem a ver com o fato de que 30 homens violentaram a adolescente. A letra da música, segundo ele, exalta alguém que engravidou mais de 30 mulheres.

A versão da garota, entretanto, é totalmente diferente. Ela diz ter saído na madrugada de sábado para se encontrar com Lucas. Diz ter chegado na casa dele, onde os dois estavam a sós, e só lembrar então de acordar no dia seguinte em outra casa da comunidade com 33 homens após ter sido estuprada. Ela disse que chegou a ser violentada também com armas.

Saiba mais

Menina vítima de estupro dá entrevista; assista ao vídeo #Casos de polícia