Um #Crime bárbaro contra uma idosa de 75 anos chocou os moradores do município de Maringá, no estado do Paraná. O mais impressionante é que a vítima foi estuprada e torturada justamente pelo homem contratado para ser seu cuidador.

O algoz, denominado José Luiz Moreira, tem 69 anos. Ele foi preso em flagrante no último dia 22 de outubro, pela Guarda Municipal de Maringá 

Não se sabe de que maneira os agentes foram alertados do crime. Quando eles chegaram na residência, encontraram a idosa já inconsciente. Ela estava sem roupas e bastante machucada. Uma equipe do Samu foi acionada e encaminhou a vítima em estado grave para o hospital municipal.

Publicidade
Publicidade

O agressor a deixou com diversos hematomas pelo corpo e com o rosto desfigurado. Na residência os policiais se depararam com vidros e um tanque quebrados. Eles acreditam que a idosa recebeu golpes com uma barra de ferro e  também chutes e socos até perder os sentidos.

O agressor foi indicado para cuidar da idosa por um dos filhos dela. Mas a família começou a suspeitar que com o passar do tempo ele foi se mostrando agressivo e ameaçador.

Além da violência física, ele é suspeito de praticar sucessivas violências sexuais. Os investigadores trabalham com a tese de que no dia em que foi espancada ela foi abusada sexualmente, já que foi encontrada desmaiada e sem as roupas.

Uma semana depois das agressões, a vítima anda com muitas dificuldades e continua com diversos hematomas e escoriações.  À imprensa ela disse que tem medo e espera que o homem receba punição justa.

Publicidade

“Deixem ele morrer na cadeia”, disse em entrevista à Rede Record.

Falando com extrema dificuldade por conta dos machucados na face, ela disse que o homem se portava como um “machão” e que batia muitas vezes em sua cabeça. “Ele me arrastou para a cama dele”.

Um dos guardas municipais que atendeu a ocorrência disse que atende vários casos envolvendo violência doméstica, mas que esse em especial, comoveu a equipe toda. 

O acusado permanece preso e responderá pelos crimes de tortura e estupro. #Casos de polícia