Na tarde de terça-feira (25/08), em mais uma demonstração de força, uma manifestação dos servidores do Poder Judiciário Federal fechou a Esplanada dos Ministérios em Brasília.

Mais de 15 mil servidores caminharam pela Esplanada até a frente do Congresso Nacional onde se reuniram para pressionar os deputados e senadores a rejeitar o Veto Presidencial 26/2015 ao Plano de Cargos e Salários da categoria que tramita como PLC 28/2015.

O projeto foi vetado integralmente pela Presidente #Dilma Rousseff e retornou ao legislativo. O Senador Renan Calheiros, Presidente do Congresso nacional pautou a discussão do veto para o dia 2 de setembro.

Publicidade
Publicidade

Caravanas invadem Brasília

Caravanas de servidores de todos os estados da federação acampam em Brasília desde então. Ao som de palavras de ordem, cantos, vuvuzelas e instrumentos de percussão os manifestantes fazem um protesto ensurdecedor que ecoa pelos corredores do Congresso, segundo o portal UOL.

O barulho da manifestação incomoda e quebra a rotina dos parlamentares. O presidente Renan Calheiros (PMDB/AL) determinou medidas restritivas para acesso às dependências do Senado e nem mesmo os dirigentes sindicais podiam entrar nos prédios. Os representantes dos grevistas tentaram negociar com a Secretaria Geral da Mesa Diretora a entrada dos manifestantes.

Os servidores marcharam pelo Eixo Monumental de Brasília, passaram pela lateral da Câmara dos Deputados e protestaram em frente ao STF aos gritos de “Lewandowski traidor”, uma alusão ao Presidente do STF Ricardo Lewandowski que enviou ao Congresso Nacional um projeto que seria uma proposta consensual com o Executivo, com a qual os servidores não concordam.

Publicidade

O próximo destino da manifestação foi o Palácio do Planalto, onde pediram que o Executivo respeitasse a autonomia do Poder Judiciário.

Projeto de Reajuste do MPU é aprovado

Durante o protesto dos servidores do lado de fora do Senado, contrariando a solicitação dos sindicatos e da Fenajufe, o senador Valdir Raupp (PMDB/RO) apresentou substitutivo ao PLC 41/2015, que reajusta os salários dos servidores do Ministério Publico da União.

A proposta foi aprovada com 45 votos favoráveis, 28 contrários e três abstenções. O texto do projeto é o mesmo da proposta de acordo apresentada aos servidores do judiciário e que foi rechaçada nas assembleias estaduais dos sindicatos.

Dilma libera R$ 1 bilhão em emendas parlamentares

Para conter a insatisfação de parlamentares e a insurreição da base de sustentação ao #Governo, a Presidente Dilma Rousseff liberou R$ 1 bilhão em emendas parlamentares. A liberação de recursos aos parlamentares é uma tentativa do governo de acalmar deputados e senadores frente às crises política e econômica.

Publicidade

Dilma também se reuniu com 27 governadores solicitando ajuda para evitar a aprovação de projetos que tramitam no Congresso, a chamada "pauta-bomba", no qual está inserido a derrubada do veto ao PLC 28/2015.

Contra esse verdadeiro derrame de dinheiro, os sindicalistas contra-atacam com manifestações populares para pressionar os parlamentares a manterem seus compromissos de apoio ao PLC 28/2015 e rejeição ao veto presidencial 26/2015.

A próxima semana será decisiva para as aspirações dos servidores. A categoria permanece unida e decidida a continuar em greve que já dura mais de 70 dias. #Crise econômica