“A coisa certa a fazer é trazer o assunto para o debate público”, diz o cientista Zack Labe, especialista em clima ártico da Universidade Estadual do Colorado, nos EUA, quando questionado sobre como lidar com as mudanças climáticas. Como pesquisador de machine learning e cientista de dados, Labe está compartilhando uma série de gráficos e tabelas no Twitter com o objetivo de melhorar a educação do público em geral sobre as mudanças climáticas. Em uma entrevista exclusiva à Blasting News, Labe explica que seu “maior desafio é fazer com que as pessoas se interessem pelo Ártico”, uma “parte fundamental de todo o sistema terrestre”.

Labe acredita que, com a ajuda do machine learning, as mudanças climáticas do Ártico podem ser melhor analisadas e, portanto, interrompidas, então ele permanece otimista: “Ainda temos potencial para realmente fazer a diferença”.

Blasting News: Você é um especialista em clima ártico da Universidade Estadual do Colorado. Em sua conta do Twitter, você dá vida aos dados climáticos em uma série de gráficos e tabelas para ajudar os usuários das redes sociais a entender melhor as mudanças climáticas. Quando e por que você começou este processo de melhorar o conhecimento geral do público sobre as mudanças climáticas?

Zack Labe: Inicialmente, não pretendia trabalhar com comunicação científica, embora adore agora. Tudo começou no início da minha pós-graduação, onde li muitos artigos científicos e, especialmente, mais e mais estudos sobre o clima ártico.

Eles estavam mostrando esses números que outros cientistas estavam fazendo e eu percebi que eles eram difíceis de visualizar. Se um pesquisador não consegue entender essas projeções, como podemos comunicá-las a um público maior?

O Ártico é uma região que muda muito rapidamente. O processo científico é longo e leva anos para publicar novos estudos e artigos.

Por isso, é importante comunicar esses dados de forma visual e acessível, em tempo real, para acompanhar o que está acontecendo.

Qual é o papel do Ártico no clima global?

Em primeiro lugar, você deve pensar no Ártico como uma geladeira que fica no topo do nosso planeta.

O Oceano Ártico é uma superfície branca e brilhante coberta de gelo marinho. Durante o verão, você recebe a luz do sol que, quando atinge essa superfície branca e brilhante, é refletida de volta para o espaço e cria calor.

Parte desse calor escapa para o espaço e não aquece a atmosfera. À medida que elevamos as temperaturas devido às emissões de gases de efeito estufa, há menos daquela superfície branca. Então agora você tem um oceano escuro sobrando. As pessoas pensam que a água reflete a luz do sol também, mas, na verdade, é essa água escura que absorve a luz do sol e armazena calor no oceano.

Então, parte desse calor é liberado na atmosfera e, portanto, causa mais aquecimento no Ártico. Portanto, você tem o que os cientistas do Ártico chamaram de "amplificação do Ártico", que é apenas um aquecimento adicional do Ártico. Isso realmente afeta o clima global.

Então, é claro, existem muitas razões pelas quais os cientistas estão olhando para o Ártico, por exemplo, como isso afeta as correntes oceânicas ou os padrões climáticos.

Portanto, o Ártico é realmente uma parte fundamental de todo o sistema da Terra, que está completamente conectado.

Recentemente, você compartilhou um gráfico que mostra que “o gelo marinho era mais fino do que a média em quase todo o Oceano Ártico em dezembro passado”. Vamos chegar a um ponto de não retorno?

Os modelos climáticos que utilizo para minha pesquisa e comunicação certamente não compartilham uma visão otimista do que o futuro reserva, mas tento permanecer positivo. Quando você olha as projeções do modelo climático para o Ártico, sabemos que vai esquentar mais rápido do que em outras partes do mundo. No entanto, se você olhar para a quantidade de aquecimento, possivelmente projetado no futuro, esse intervalo de aquecimento é realmente maior.

Portanto, você pode ver isso como uma incerteza, uma vez que é maior do que em outras partes do mundo. Dito isso, se reduzirmos nossas emissões de gases de efeito estufa usando políticas baseadas em evidências, podemos realmente evitar os piores cenários no Ártico.

O gelo marinho é água do mar congelada. Portanto, se as temperaturas no oceano e na atmosfera forem baixas o suficiente, o gelo permanecerá. Acho que ainda temos potencial para realmente fazer a diferença nas mudanças climáticas do Ártico.

Você acha que essas projeções alarmantes ajudarão a mudar a percepção e a mentalidade das pessoas sobre as mudanças climáticas?

Espero que mude mentalidades, mas acho que está funcionando. Eu vejo isso, não só porque meus gráficos são compartilhados no Twitter, mas também fui contatado por jornalistas que escrevem sobre esses tópicos.

Acho que a coisa certa a fazer é trazer o assunto para o debate público. Sou climatologista, mas fora do trabalho e da comunicação, não costumo falar sobre mudanças climáticas. A maioria das pessoas também. Poderíamos falar sobre o tempo hoje, mas com que frequência entramos em detalhes? Portanto, acho que meus gráficos têm seu peso na discussão sobre as mudanças climáticas no debate público. Espero que isso permita que as pessoas vejam esses dados de uma maneira diferente e que realmente as deixe interessadas em saber como podem descobrir mais sobre o assunto. Sempre tento compartilhar links para os dados em meus tuítes, para que as pessoas possam se aprofundar se estiverem interessadas.

Quais medidas você acha que estão ao alcance do poder público e que devem ser aplicadas para que possamos começar a reverter a situação e evitar a perda total da cobertura de gelo no mar Ártico?

Não sou especialista em política, mas a minha resposta a esta pergunta volta ao que acabei de dizer, é preciso falar. Não falamos o suficiente sobre as mudanças climáticas. Nos Estados Unidos, estamos em um ambiente politizado e as pessoas evitam assuntos como as mudanças climáticas porque têm medo do que os outros possam pensar. Precisamos conversar sobre isso e começa com mais votos. É a coisa mais fácil que as pessoas podem fazer para apoiar políticas climáticas baseadas em evidências. Se os políticos virem seus eleitores falando sobre mudança climática, essa será uma das coisas em que decidirão trabalhar.

Como o machine learning e a análise de big data podem nos ajudar a prever o clima futuro e evitar sua deterioração?

Eu tenho duas respostas.

Primeiro, temos uma quantidade incrível de dados de satélites ou modelos climáticos. Para ser honesto, não temos pessoas e fundos suficientes para analisar todos os dados que estão disponíveis. O machine learning é uma ferramenta que podemos usar para analisar quantos dados quisermos. Outra coisa em que estou trabalhando agora é como podemos usar o machine learning para aprender novas ciências. No passado, machine learning era esse tipo de palavra da moda e as pessoas estavam interessadas, mas não tinham certeza de como funcionava. Mas funcionou. Então é isso que me fascina. Estou trabalhando nessas novas ferramentas nas quais podemos realmente entender como o modelo de machine learning aprendeu, como ele toma suas decisões. Isso provavelmente vai revelar ciências novas e interessantes que podem contribuir para a compreensão do clima futuro.

Várias comunidades indígenas vivem no Ártico e o impacto das mudanças climáticas em suas vidas e comunidades é enorme. Você pode nos contar mais? Existe uma maneira de dar voz a essas pessoas?

Estou realmente tentando me envolver mais e mais nesta questão, a fim de dar voz às comunidades indígenas do Ártico. Existem várias redes científicas para ajudar essas comunidades indígenas no Alasca, incluindo uma que eu criei. Essas redes criam confiança e relacionamentos com essas comunidades e permitem que os cientistas não apenas compreendam, mas também troquem suas observações. Então, ouvindo a história das comunidades indígenas e observando as mudanças que elas veem, podemos usar esses dados realmente importantes para seguir em frente. Dar voz a essas comunidades é importante para encontrar soluções contra o aquecimento global.

Como podemos fazer a humanidade se sentir individualmente preocupada com esta crise ecológica?

Acho que meu maior desafio é fazer com que as pessoas se interessem pelo Ártico. É uma área remota que a maioria das pessoas nunca irá visitar ou ver. Mesmo assim, conexões com aquela região que podem não parecer óbvias em princípio afetam nossas vidas. Por exemplo, um é o aquecimento da temperatura do oceano no norte do Oceano Pacífico, na fronteira com o Ártico, uma área chamada Mar de Bering. Há muita pesca de lagosta e caranguejo nesta região. Contudo, os pescadores têm grandes problemas porque o ecossistema marinho é afetado pelas mudanças climáticas. Se a indústria pesqueira tiver problemas, veremos problemas como consumidores: o custo pode subir ou pode haver menos estoque disponível.

Ao perceber isso, o consumidor do outro lado do mundo perceberá a importância de fazer esses tipos de conexões.

Se por um lado as redes sociais podem ajudar, elas também permitem às comunidades de negacionistas do clima crescerem e ajudam a compartilhar suas ideias com mais rapidez. Você já foi confrontado por estes grupos na internet? Você acha que existe uma solução para mudar a opinião dessas pessoas?

Quando comecei nas redes sociais, costumava interagir com pessoas que se informavam mal sobre as mudanças climáticas. Embora receba comentários desagradáveis todos os dias, agora optei por não interagir mais. Aperto o botão mudo com bastante frequência no Twitter. Acho que quase todos atualmente reconhecem que a mudança climática está ocorrendo e é um problema.

O problema é que muitos usuários da internet estão apenas procurando chamar a atenção nas redes sociais. Então, acho que o principal é não dar voz a esses argumentos absurdos nas redes sociais que vêm dizendo a mesma coisa há anos. Devemos dar voz à ciência real, mas também às pessoas que contam histórias humanas ou de ecossistemas. Com o tempo, acho que isso vai reduzir cada vez mais essas comunidades climáticas desinformadas.

Então você diria que não há esperança de mudar as mentes dos negacionistas da mudança climática?

Eu só uso dados e até mostro como os dados foram calculados. Portanto, se esses negadores da mudança climática não puderem ser convencidos por dados reais, será complicado. As pessoas que podem ser convencidas são certamente as que estão indecisas.

Acho que são as pessoas que podem mudar de ideia que podem fazer a diferença, não as que falam alto e “trollam” na internet.

Siga a página BlastingTalks
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!