Apesar dos funcionários dos Correios de Brasília terem aceitado as negociações para encerrar a #Greve, a paralisação dos Correios continua e já completa 10 dias. A Greve já abrange 19 ESTADOS.

Os manifestantes grevistas dos Correios se reuniram na Avenida Paulista na noite desta quinta feira, 24, para reivindicar melhores condições de trabalho. A Avenida mais conhecida de São Paulo foi fechada parcialmente. Além dos funcionários da ECT, residentes médicos do SUS, que também estão em Greve, aderiram ao movimento e marcharam lado a lado.

Manifestantes dos Correios ocupam prédio no RJ

O grupo que se concentrou no vão do Masp reivindicou um aumento de 10%, concurso para contratação de efetivo, renovação do plano de saúde, além de outros benefícios. As manifestações continuaram nesta sexta feira, 25.

Dessa vez, na capital carioca, os grevistas ocuparam o prédio dos Correios no Centro. 

Paralisação dos Correios completa 10 dias

Hoje será realizada uma reunião dos líderes sindicais dos Correio com o TST (Tribunal Superior do Trabalho) para que haja uma negociação e tentativa de conciliação. Cerca de 70% dos funcionários dos Correios estão em greve, que abrange todo território nacional. A única exigência do Tribunal Superior do Trabalho (TST) no momento é que pelo menos 65% dos funcionários dos Correio estejam trabalhando durante a paralisação.

A Greve segue em todo território nacional e servidores do correios se manifestam em diversos outros pontos.  Dia 18 houve uma passeata em Fortaleza e cada vez mais os servidores da Bahia estão aderindo ao movimento, onde já tem 80% do efetivo parado.

Os melhores vídeos do dia

Houve também uma manifestação em Minas Gerais, no último dia 22. A paralisação segue por tempo indeterminado.

O concurso para os Correios que possui edital com previsão de divulgação a qualquer momento, foi suspenso temporariamente e só será reaberto quando a paralisação for encerrada. Os funcionários pedem também a inserção da gratificação para incentivar o trabalho. A troca do plano de saúde também é severamente reivindicada. #Governo #Blasting News Brasil