A adolescente de 16 anos que foi violentada por 30 homens no Rio de Janeiro falou sobre o crime e sobre o vídeo do estupro coletivoem uma entrevista exclusiva ao Fantástico, da Rede Globo. Em uma conversa com a equipe de reportagem, a jovem contou os momentos de terror vividos durante a noite do abuso sexual e também falou sobre a gravação e compartilhamento das imagens do estupro coletivo dos 30 homens nas redes sociais.

De acordo com a jovem, ela foi atraída para o local e, quando acordou, havia aproximadamente 30 homens sobre ela. A adolescente afirmou que só tomou real consciência do caso quando o vídeo do estupro coletivo chegou até as mãos da avó. Ela costumava frequentar os bailes funks da comunidade onde ocorreu o crime desde os 13 anos de idade.

Vídeo de 30 homens abusando da jovem

Sobre o vídeo de 30 homens abusando da jovem, ela afirmou que ficou chocada com a gravação das imagens.

“Dói na alma” afirmou a adolescente abusada sexualmente.

Na tarde deste domingo (29), a Delegacia da Criança e do Adolescente assumiu as investigações sobre o caso do abuso sexual. Dessa forma, as investigações sobre a divulgação das imagens do estupro coletivo serão tocadas pela Delegacia de Repressão aos Crimes na Internet, como desejavam as advogadas da vítima.

O caso gerou grande polêmica recentemente, pois os defensores da jovem afirmavam que a Polícia Civil não estava dando a prioridade necessária ao caso e tratando o crime com pouco interesse.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Televisão

Namorado diz que vídeo de estupro coletivo foi armação

O rapaz apontado como suposto namorado da vítima afirmou que a jovem armou a situação para se livrar de uma possível punição dos pais, que são bastante religiosos. Ele afirma que a relação da jovem com os supostos agressores foi consentida e que não houve crime de abuso.

Enquanto isso, o vídeo dos 30 homens cometendo o estupro coletivocontinua a ser amplamente divulgado nas redes sociais e na deep web, a chamada internet oculta.

A simples divulgação do vídeo do abuso coletivo é crime previsto em lei, com punição de até oito anos de prisão aos responsáveis pelo compartilhamento das imagens.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo