Com Jurassic World - O Mundo dos Dinossauros (Colin Trevorrow, EUA, 2015) a febre dos dinossauros está de volta.

O Filme é o quarto da franquia, que já conta com Jurassic Park: O Parque dos Dinossauros (1993), O Mundo Perdido: Jurassic Park (1997), Jurassic Park III (2001).

Quem não se lembra da bengala com âmbar pré-histórico de John Hammond, que deu vida a várias espécies de dinossauros? Pois em 1993, Steven Spielberg, baseado no romance homônimo escrito por Michael Crichton, dirigiu o primeiro filme, que mostrava a recriação de dinossauros a partir do DNA fossilizado de um Pterossauro.

Hoje, 22 anos depois do primeiro filme, mesmo que o filme seja ficção, especialistas em animais pré-históricos, especialmente os paleontólogos, estão descontentes com o resultado final, por causa de seus erros científicos.

Conforme registrado pelo canal americano CBS, cientistas lançaram dúvidas sobre algumas das coisas que vemos no filme:

- Os Pterossauros (dinossauros alados) são capazes de pegar um homem e levá-lo voando. O erro: os pés do animal não são capazes de agarrar algo.

- O Galimimo não tinha dentes e seu tamanho está incorreto.

- Tanto o Velociraptor e o Galimimo tinham penas, na verdade, e não uma pele escamosa escamas, reptiliana, como vemos no filme.

- O Mosassauro (dinossauro marinho) não era tão grande como é mostrado no filme.

- Não está provado que os Tiranossauros tinham olfato ruim e que não podiam ver suas presas até elas se moverem.

Especialistas norte-americanos, como os paleontólogos James Kirkland (61 anos), Thomas Holtz (50 anos) ou Andrew Farkë, lamentaram que o novo filme não recolheu as últimas descobertas da área e acreditam que é uma "oportunidade perdida" e um "passo para trás".

Os melhores vídeos do dia

Os responsáveis pelos filmes se defendem. Jack Horner (68 anos), paleontólogo que assessorou os quatro longas da série, acredita que "é um filme, é ficção. A última coisa que precisa é ser cientificamente fundamentado. Os produtores queriam que os dinossauros fossem os mais precisos possíveis, via tecnologia digital, mas depois eles foram substituídos por movimentos de atores, e fazem coisas que não fariam os animais reais, como perseguir pessoas ou entrar em edifícios para comer uma pessoa".

"Não é um documentário", continuou Horner, que exemplificou com o clássico filme de Spielberg, Jaws (Tubarão 1975), no qual um tubarão literalmente come um barco para alcançar seus objetivos, algo que os tubarões não fazem.

Recebendo críticas ou não, o novo Jurassic World que estreou essa semana no Brasil, é sucesso de bilheteria e já arrecadou mais de 511 milhões de dólares (o filme custou US$ 150 milhões).