O Jesus histórico e o Jesus bíblico diferem em muitos pontos, já, em outros, há concordância entre historiadores e religiosos. Uma das polêmicas que desperta a curiosidade das pessoas, cristãs ou não, é sobre a relação entre Jesus Cristo e Maria Madalena. Assim, para alguns, além de ser uma questão de fé, a existência da maior liderança que o mundo já conheceu, muitas vezes acaba sendo uma questão de ciência também.

Para grande parte dos historiadores, Jesus realmente existiu. O ponto de divergência entre eles e os praticantes do cristianismo é o fato do personagem histórico ser muito diferente do que é retratado pela Bíblia.

Um dos pontos de discórdia é não ter prova de que ele realmente nasceu em 25 de dezembro, quando se comemora o Natal. Essa data foi escolhida pela igreja católica para coincidir com a celebração do nascimento de Mitra, o deus do Sol, uma festa pagã que já existia.

O beijo de Maria Madalena e Jesus

Depois de Maria, a mãe de Jesus, Maria Madalena é uma das figuras femininas mais importantes do Novo Testamento. Para os historiadores, ela pode ser uma prova de que Jesus era acompanhado de apóstolas e não apenas dos apóstolos, indo contra a doutrina católica de permitir que apenas os homens ocupem cargos importantes, como padres, por exemplo.

Maria Madalena tem um papel central nos Evangelhos porque também foi a primeira a visitar o sepulcro de seu mestre e perceber que seu corpo havia desaparecido, sendo a primeira pessoa a reconhecer a ressurreição de Cristo.

Em uma entrevista à revista Veja, o historiador André Chevitarese, que atua como professor do Instituto de História da UFRJ e escreveu os livros "Jesus Histórico - Uma Brevíssima Introdução" e "Cristianismos: Questões e Debates Metodológicos", ambos pela Editora Kline, disse que no ano 591, o papa Gregório Magno proferiu uma homilia juntando duas mulheres diferentes lembradas no Evangelho de Lucas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Religião

Ele disse que uma mulher "pecadora", no caso, uma meretriz da época, e Maria Madalena seriam a mesma pessoa. Assim, criou-se uma conotação de que as mulheres eram demoníacas.

No século XIX, a Igreja católica resolveu voltar atrás e promoveu Maria Madalena de meretriz a santa, porém, sua imagem de mulher pecadora continuou incutida no imaginário cristão. Em relação a um suposto casamento com Jesus, algumas teorias apontam que tudo começou em uma passagem do Evangelho apócrifo de Felipe, onde eles aparecem se beijando.

Para o historiador André Chevitarese, se o fato for analisado com uma perspectiva atual, alguns dos colegas entendem haver um elemento erótico na passagem, mas por outro lado é preciso considerar que no mesmo evangelho Jesus aparece beijando seus apóstolos homens e isso jamais foi considerado anormal. Para ele, usar um fato como esse para afirmar que Jesus mantinha relacionamento com Maria Madalena é muito vago e jamais poderá ser confirmado. "Isso passa longe de fazer história", disse ele.

Filme retrata vida de Maria Madalena

A polêmica sobre o assunto não será discutida apenas no Natal, mas nas salas de cinema a partir do ano que vem, quando estreia o filme "Madalena", em 28 de março de 2018.

Maria Madalena será interpretada pela atriz Rooney Mara e o ator Joaquin Phoenix será Jesus.

O filme mostra a história de Maria Madalena sobre uma perspectiva diferente, tentando encontrar uma nova maneira de viver. Na história que chegará aos cinemas, a relação entre Jesus e Maria Madalena é muito próxima, mas o foco não é a história do líder cristão, e sim a trajetória de Madalena.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo