Nesta quarta-feira (24), o governo estadual de São Paulo informou que o plano de retomada das aulas presenciais está previsto para setembro, com ampliação do contingente de alunos de 20% para 35% nas instituições que deverão repensar o planejamento.

Segundo as instituições, todas as séries voltarão para as salas de aulas. Contudo, a prioridade da frequência será dada ao ensino infantil e ao 3º ano do ensino médio.

A medida de retorno às aulas visa impossibilitar que haja uma queda nos índices da Educação. Com o avanço da pandemia do novo coronavírus se estendendo no país, muitas áreas foram afetadas, em especial, a economia e a saúde.

Dessa forma o governo do São Paulo busca inserir de forma segura os estudantes as suas atividades educacionais diárias e de modo presencial.

Retorno às salas de aula no Estado de São Paulo

De acordo com as novas regras, a volta as aulas está prevista para o dia 8 de setembro, comportando cerca de 35% do corpo estudantil, posteriormente 70% e, por fim, os 100% dos alunos. As orientações se estendem também para o ensino superior. As instituições das redes públicas e privadas deverão seguir o que está sendo proposto.

Em relação às medidas necessárias para evitar o contágio pelo Covid-19 dentre outros assuntos internos as instituições, o diretor da Abepar (Associação Brasileira de Escolas Particulares), Mario Aguiar, informou em entrevista publicada nesta quinta (25) no jornal O Estado de S.Paulo que irá participar o de uma reunião sobre o assunto.

Aguiar dirige o Colégio Bandeirantes, que fica na Vila Mariana, zona sul, e informou que no plano previsto para agosto a prioridade da instituição era o 3º ano do ensino médio e que isso não mudou, pois são aqueles que melhor precisam se preparar para enfrentar um vestibular e, portanto, devem estar diariamente na escola para que seja acompanhado o desenvolvimento, desempenho e aproveitamento.

Com a mudança para setembro Aguiar afirmou que deverá replanejar para melhorar.

O Colégio Bandeirantes conta com 2.653 alunos e o propósito é de que todas as séries façam parte dos 35%. O plano é de que os alunos vão à escola em dias alternados, mas os alunos do 3º ano devem ir todos os dias. Para os que não estarão todos os dias na escola serão disponibilizadas aulas online.

As medidas de segurança em saúde serão garantidas aos alunos, professores e funcionários, através de uma consultoria do Hospital Sírio-Libanês, que assumirá o ambulatório da escola para fazer a medição da temperatura de todos que retornarem ao colégio.

No Morumbi, zona sul, o Colégio Miguel de Cervantes contará com a Consultoria do Hospital Israelita Albert Einstein para formular e fazer a adaptação dos protocolos de saúdem conforme as orientações do governo do Estado.

Outros colégios da zona sul informaram que já estão em condições de retomar às aulas com 100% do seu corpo estudantil, como é o caso do Colégio Santa Maria, mas não deixou claro quais turmas farão parte da primeira fase de volta às aulas determinadas pelo Estado.

Siga a página Educação
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!