O goleiro da Chapecoense Ivan Soares é suspeito de ferir a ex-namorada com uma faca, roubar dois aparelhos celulares e ainda destruir um salão de cabeleireiro. O caso aconteceu nesta quarta-feira (13), na cidade de Espinosa, Norte de Minas Gerais, onde o jogador possui familiares. A motivação dos atores seria sido por ciúmes.

De acordo com informações publicadas pelo portal G1, o jogador pediu dispensa do clube para resolver questões pessoais e teria ido até a cidade no interior mineiro tentar reatar o relacionamento com a ex-namorada, Laíse Gabriela Alves Fernandes, de 30 anos.

Publicidade

Primeiro, Ivan, que na verdade se chama Gilsivan Sorares, teria abordado um rapaz de 21 anos, que estaria se relacionado com sua ex-namorada, no Bairro São Cristovão. Querendo confirmar as suspeitas, e simulando estar com uma arma escondida em seu carro, o atleta obrigou o rapaz a entregar seu aparelho celular. O jovem então avisou a polícia sobre o roubo.

Em seguida, Ivan foi até o salão de cabeleireiro onde a ex-namorada se encontrava. De acordo com o depoimento da mulher dado na polícia, ele teria colocado uma faca em seu pescoço e também a obrigado entregar seu telefone.

Ele pegou o aparelho, mas retornou pouco depois, uma vez que precisava da senha para ter acesso às informações. Coma recusa da mulher em passar o código, os dois entraram em luta corporal e mobiliários do salão foram quebrados.

A mulher foi dominada pelo jogador e novamente sendo ameaçada com a faca no pescoço, finalmente revelou a senha do aparelho, momento em que a faca teria caído de ponta no dorso do seu pé esquerdo, causando uma fratura na falange proximal.

Goleiro nega acusações, e diretoria da Chape disse que vai aguardar

O portal Globo Esporte entrou em contato com o jogador, que negou as acusações.

Publicidade

Ele se reuniria ainda nesta quinta-feira com os dirigentes da Chapecoense para tratar sobre o assunto.

Durante a apresentação do zagueiro Gum, o presidente da Chapecoense, Plínio David de Nês Filho, foi questionado sobre o assunto, mas disse que o clube não iria aguardar a verificação dos fatos. “A diretoria não vai se manifestar até os fatos serem esclarecidos”, disse. Dentro do clube a notícia foi recebida com surpresa e causou mal-estar, uma vez que o jogador tinha bom comportamento e possuía postura de liderança dentro do vestiário.

O goleiro ainda não está sendo procurado pela Justiça, mas é aguardado pela polícia para prestar esclarecimento a respeito das acusações.