O ex-presidente do Flamengo, Eduardo Bandeira de Mello, e outras sete pessoas foram indiciados nesta terça-feira (11) pela Polícia Civil do Rio de Janeiro, por conta do incêndio ocorrido no CT Ninho do Urubu, em 8 de fevereiro deste ano. Dez jogadores das categorias de base do Flamengo morreram e outros três foram hospitalizados. Eles irão responder por homicídio doloso. O inquérito, assinado pelo delegado Márcio Petra, da 42ª Delegacia de Polícia (Recreio).

Além do ex-presidente flamenguista, também foram indicados pela Polícia os engenheiros da NHJ, Danilo da Silva Duarte, Weslley Gimenes e Fábio Hilário da Silva, o técnico em refrigeração Edson Colman da Silva, os engenheiros do Flamengo, Luis Felipe Pondé e Marcelo Sá, além do monitor do Flamengo Marcus Vinícius Medeiros.

Questões que foram investigadas

Durante o trabalho de investigações, a policia analisou diversas questões.

Uma delas foi que havia o conhecimento que diversos jogadores da base residiam em container e que ele não era apropriado para ser dormitório de atletas. Nesses containers haviam diversas irregularidades elétricas, estruturais e aparelhos de ar condicionados instalados que careciam de manutenção.

Além disso, também foram citados a ausência de monitor no local, a recusa de assinatura do TAC, que havia sido proposto pelo Ministério Público do estado e tinha como objetivo a regularização da situação precária em que os atletas ficavam alojados, e também o descumprimento da Ordem de Interdição do CT.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Flamengo

Além disso, o clube já havia recebido diversas multas impostas pelo Poder Público por conta da desobediência da ordem de interdição. As investigações também apontaram que a área onde ficava os alojamentos deveria servir como um estacionamento.

Relembre o caso

Na madrugada de 8 de fevereiro, um curto-circuito ocorrido em um dos aparelhos de ar-condicionado do CT Ninho do Urubu, causou um incêndio que atingiu os dormitórios dos atletas das categorias de base.

A maioria dos jogadores dormiam na hora que o começou o fogo, que se espalhou rapidamente devido a alta quantidade de material inflamável presente no local.

Dez garotos morreram no incêndio e outros três tiveram que ser hospitalizados por conta da fumaça inalada e também por queimaduras. A tragédia só não foi maior porque em razão do cancelamento do treino da véspera, muitos garotos, que moravam no Rio de Janeiro ou cidades próximas, foram liderados para passarem a noite em suas casas.

Até o momento, o clube fechou apenas três acordos de indenização, feitos com os familiares do Athila, Gedinho e com o pai do Rykelmo. A mãe deste último garoto segue negociando.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo