Prints que revelam a história de uma suposta 'dor de cotovelo' que o Deputado Federal Eduardo Bolsonaro (PSC/SP) estaria sofrendo, vêm dando o que falar nas redes sociais. [VIDEO]

O filho de Jair Bolsonaro está sendo 'acusado' de não superar o suposto relacionamento que teria tido com a estudante Patrícia Lélis, tendo assim usado seu perfil no Facebook para comentar sobre o atual comportamento da moça e também sobre o seu envolvimento com um médico cubano. Confira!

Patrícia, que agora se declara como uma militante do movimento feminista, não deixou barato e resolveu dar uma resposta à altura para o suposto ex-namorado.

A história revelada pelos prints poderia ser mais uma entre tantas outras onde antigos casais trocam farpas entre eles pela internet, mas essa história em particular não é bem assim. O deputado nega ter tido qualquer envolvimento amoroso com a jovem, como se essa negação pela parte de Eduardo Bolsonaro não bastasse, trechos na resposta de Patrícia para ele não condizem com o real 'passado amoroso' dela.

Trocando nomes e fatos

No trecho inicial do 'desabafo' de Lélis, ela afirma que começou a entender a importância do feminismo, ao ter sido abusada pelo também deputado Marco Feliciano (PSC/SP), que é colega de partido de Eduardo.

A jovem relata que, o até então 'namorado', pediu para que ela ficasse calada diante da agressão sexual que havia acabado de sofrer.

Os melhores vídeos do dia

Patrícia revela que após isso, decidiu não aceitar mais o relacionamento abusivo e repleto de traições que já durava 3 anos e 8 meses.

Toda essa história contada pela estudante, poderia sim ser um desabafo sobre a superação de um relacionamento tão desgastante, mas um pequeno detalhe, com nome e sobrenome, 'detona' a história de Patrícia. O nome dele? Rodrigo Simonsen!

Era com Rodrigo que a estudante namorava na época do suposto estupro envolvendo Marco Feliciano.

A jovem enchia suas redes sociais com fotos ao lado de Rodrigo, o seu verdadeiro namorado. Veja uma delas!

Sendo o então o namorado de Patrícia na época do suposto crime, Simonsen não deixou a amada de lado, e mesmo sendo criticado, ele a defendeu das acusações de estar mentindo sobre o estupro.

Após as investigações da Polícia, Simonsen parece ter mudado de opinião sobre a postura da namorada e o namoro dos dois chegou ao fim. O rapaz chegou a desabafar sobre tudo que havia passado em seu perfil no Facebook.

Dias depois a acusação de estupro, um laudo divulgado pela Polícia Cívil de São Paulo, informou que a jovem sofre de mitomania, esse transtorno faz com que a pessoa minta compulsivamente.

Mitomaníaca ou não, uma coisa é certa, Patrícia, ao contrário do que afirma, não namorava com Eduardo na época do suposto crime.

Nossa equipe vasculhou as redes sociais do deputado, e nada relacionado à moça foi encontrado.

Um amigo pessoal do parlamentar afirma que a jovem criou toda essa nova armação ao montar um falso print, para aparecer às custas de Bolsonaro.

E você, o que acha disso?