Considerada a profissão mais antiga do mundo, a prostituição é, sem dúvidas, a mais degradante forma que alguém consegue ganhar a vida, correndo os mais diferentes tipos de riscos. São moças e rapazes que por algum motivo deixaram suas famílias e amigos para sair pelo mundo e vender seu corpo.

Recentemente, a terrível morte da garota de programa Kesia Freitas Cardoso de 26 anos, que foi encontrada morta, esfaqueada dentro de uma lixeira em Uberlândia no Triângulo Mineiro e a garota de programa chamada Paulinha, de 16 anos e da cidade de Taquarituba (SP), que teve seus olhos furados pelo cliente que atendia na própria casa viraram manchetes nos jornais.

Os clientes acreditam que, por estarem pagando, têm o direito de fazer o que querem, e isso inclui até mesmo agredir e humilhar. A violência contra garotas de programa tem se tornado algo cada vez mais comum nas pequenas e grandes cidades. As vítimas são geralmente meninas na fase da pré-adolescência e mulheres que, buscando sua sobrevivência, acabam sendo agredidas e até mesmo mortas por seus clientes.

Os motivos que levam elas a procurar esta profissão são desde a pobreza e vícios em algum tipo de droga até algum tipo de tristeza ou distúrbio emocional. Quantas outras mulheres que vivem desta triste profissão e sofrem os mais diversos tipos de agressões e preconceitos da sociedade? Meninas que poderiam estar brincando com suas bonecas no aconchego de suas casas, mas que precisam manter sua Família ou vício.

Os melhores vídeos do dia

Quantas vidas são dilaceradas pela tristeza e humilhação, mas que a sociedade fecha os olhos e acredita ser algo normal?

Na minha opinião, o governo precisa investir em políticas públicas e em ações sociais para que crianças e adolescentes não entrem nesta vida. A sociedade deve se preocupar e ter mais carinho e amor por essas pessoas. Precisamos lutar para que este tipo de mal seja erradicado, buscando meios para que crimes como esses sejam reconhecidos pela justiça e punidos, pois enquanto existir o preconceito, nada será feito.