"Viver é, na verdade, é a maior de todas as ARTES... Nos palcos da vida todos nós somos atores, vivemos interpretando diariamente vários personagens. Portanto, viver é um teatro e o mundo o maior de todos os palcos." (Iolanda Brazão).

Estas declarações podem agredir e causar constrangimento para quem as ler, entretanto, é uma realidade que não pode ser negada. A princípio, pode parecer absurda, mas ao ser analisada friamente não deixa de ser uma realidade.

Todos sabem que a sociedade exige das pessoas, comportamentos, atitudes, linguagens e discursos diferentes, o tempo todo. Um para cada ambiente. Sendo assim, diante das imposições instituídas por esta mesma sociedade, se faz necessário o uso da representação.

Como representar está presente no cotidiano das pessoas, que por vezes passa despercebido certos comportamentos adotados. Tudo porque, a tendência do ser humano é começar a representar cedo, pois há incrustado dentro de cada um a essência do artista.

Quem na infância não brincou de faz de conta, criando vários personagens? Representar foi à maneira que o ser humano encontrou para expressar sentimentos, pensamentos, frustrações, alegrias e medos, e assim poder se comunicar com as outras pessoas. Por representar ser algo tão natural, corriqueiro, o ser humano tratou de apropriar-se deste recurso, para fazer uso dele em todos os lugares aonde viesse a passar.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Curiosidades

Em casa, no trabalho, na igreja, em reuniões sociais, em cada um destes lugares, se faz necessário um comportamento, uma postura e uma linguagem diferente, que vai da linguagem culta a popular, ou até mesmo um discurso bem elaborado e o comum.

Observe bem, quando alguém está no convívio de sua família o que acontece? Ali, em seu ambiente familiar, não existe ninguém para cobrar determinada postura, nem tão pouco uma linguagem mais elaborada.

A linguagem ali é oral, descontraída, não havendo preocupação de o falante articular seu discurso de acordo ou não com as regras formais estabelecidas pela língua. A espontaneidade se faz presente, as frases saem naturalmente, não são organizadas, e a pessoa fala o que passa pela sua mente.

O que já não acontece quando esta pessoa esta diante de uma plateia, no trabalho, na igreja, no consultório, na sala de aula, numa reunião social.

Nestes lugares o comportamento da linguagem é outra, tudo porque a pessoa esta sendo observada, e, portanto a sociedade exige uma postura adequada, um cuidado maior com o vocabulário, daí concluir-se que as atitudes e comportamentos humanos se ajustam ao ambiente e a ocasião vivenciada.

Diante destes argumentos, é natural certos questionamentos, certa indignação, tudo porque, para muitos, representar é algo associado a artimanhas e falsidades.

"Eu não sou ator nem atriz", "eu não represento", como não representa? Representa sim, e não representamos um único personagem no dia a dia, porque é nos palcos da vida, diante dos desafios a serem enfrentados que surge a necessidade de criar, fazer uso dos muitos personagens, que serão interpretados ao longo da vida.

Por isso, o dia a dia do ser humano se assemelha com o teatro, que tem como objetivo principal, transpor a realidade do cotidiano, para os palcos, atitude esta que faz com que os atores e espectadores se confundam ao ver transportada a realidade de cada cena do cotidiano, para a ficção. Daí, então, o espectador ao se identifica com a interpretação, se vê refletido na cena, neste momento, ao confundir a realidade com a fantasia se emociona, vibra diante da interpretação do ator no palco. Portanto, é mais que verdadeiro este pensamento: "viver é um teatro e o mundo o maior de todos os palcos".

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo