É final de semana eenquanto nós desfrutamos do conforto de nossas casas, em váriaspartes do Brasil, na cabine quente e solitária de seu caminhão, está o motorista que leva alimento, combustível, grãos para exportação, madeira, máquina, material pesado, carros, tratores, enfim leva-se de tudo; uma infinidade de itens para que nosso país não pare.

Passando dias fora de casa e longe da família, dormindo à beira de estrada ou onde o bolso pode pagar, enfrentando congestionamentos, passando por estradas esburacadas, escorregadias, correndo o risco de sofrer roubo da carga, segue o caminhoneiro dia e noite, em todas as direções.

Quanto representa

Mais de 58%do que é transportado no Brasil é feito pela força de mais de 560 mil autônomos e 100 mil empresas, com um total superior a 1.300.000caminhões circulando em todo o país.

A faltade investimentos em ferrovias, hoje com uma malha de 27.782 kme apenas um terço produtiva, vai manter o percentual elevado pelos próximos anos, enquanto o Governo não destinar redirecionar nossos impostos.

O que faz o governo?

Embora o investimento em rodovias seja apenas 15% do valor por km, quando comparado ao mesmo valor para a ferrovia, agrande verdade é que o governo arrecada muito mais dinheiro transportando os produtos pelas rodovias do que pelas ferrovias. Isso se traduz pela venda decombustíveis, pneus, compra de caminhões, manutenção, pedágios, serviços, etc.

Embora a carga por rodovia represente um percentual elevado,o governo não perde tempo em colocar a opinião pública contra a classe, quando há uma justareivindicação por parte dos caminhoneiros, como o aumento do preço combustíveisno começo do ano.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Governo

A nossa impressão

Como motoristas, a grande verdade é que nem sempre temos uma boa imagem do caminhoneiro. Para nós é aquelesujeito que está a nossa frente para atrapalhar no momento da ultrapassagem, retardar nossa viagem, ocupar mais espaço do que o necessário na estrada, ser taxado de folgado e tantos outros adjetivos deprimentes.

Ali a sua frente, está a pessoa que conduz um veículo grande, alto, pesado, carregado de mercadorias e que precisa voltar para casa; reflitamos sobre isso.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo