No início de 2020, velhos dilemas ainda estão presentes nos grupos de discussões sobre Saúde. Nas redes sociais, especialmente no Facebook, as publicações e discussões sobre o uso de jalecos fora dos hospitais sempre animam os grupos de profissionais de enfermagem. Na teoria, a maioria é contra. Mas, na prática, algumas pessoas continuam usando jalecos fora do ambiente de trabalho.

A Lei nº 14.466, sancionada no estado de São Paulo, é bem clara quando proíbe os profissionais da área da saúde de circular fora do ambiente de trabalho trajando jalecos e aventais.

Dessa forma, o infrator está sujeito a pagar multa que gira em torno de R$ 174,00. Vale ressaltar que, em caso de reincidência, o profissional que sair de jaleco na rua pode chegar a pagar até o dobro do valor. A intenção da lei é diminuir os riscos de contaminação de bactérias; porém, ainda há opiniões divergentes entre os profissionais.

O uso do jaleco na rua

Os jalecos são equipamentos de proteção individual e fazem parte da rotina de médicos, enfermeiros, técnicos de enfermagem e diversos outros profissionais que estão dentro do âmbito hospitalar.

O uso do mesmo faz-se necessário tanto para proteção dos profissionais quanto para a dos pacientes. No entanto, esse equipamento pode carregar muitas bactérias e servir de porta de entrada para contaminações dentro e fora do espaço hospitalar.

Uma pesquisa realizada pela PUC de São Paulo apontou que: 95% dos jalecos que passaram por análise estavam infectados por bactérias e até micro-organismos, eles podem acarretar problemas graves como infecções hospitalares.

A mesma pesquisa ainda mostrou que os jalecos apresentavam maior índice de contaminação a partir das quintas-feiras, em comparação com os dias iniciais da semana, destacando assim uma outra problemática: a falta de cuidado e higienização dos profissionais com a sua peça de trabalho.

Polêmica e opiniões

Apesar das discussões, não existe uma unanimidade entre os profissionais sobre os riscos de se utilizar o jaleco fora dos seus locais de trabalho.

Há profissionais que questionam essa proibição; eles argumentam os mesmo também transitam entre a rua e os hospitais com os mesmos sapatos, bolsas e outros equipamentos como estetoscópios e celulares. Há ate quem reforce a necessidade de outras intervenções como campanhas para se higienizar as mãos de maneira correta e eficiente assim diminuindo as transmissões de bactérias.

Os profissionais que são a favor da lei afirmam que, como instrumentos de trabalho, os jalecos são utilizados dentro dos hospitais e devem permanecer somente neles; evitando assim o risco de levar aos hospitais as diversas bactérias que podem receber nas ruas.

Lei dos jalecos

Portanto, embora ainda exista a polêmica, o fato é que a lei existe e deve ser cumprida a rigor. Os profissionais da área da saúde precisam ficar atentos, pois a primeira multa de R$ 174,00 e as demais no valor de R$ 348,00 podem fazer a diferença no orçamento.

Siga a página Saúde
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!