Não há um dia em que se acorda e não é escutado falar sobre o Coronavírus. No Brasil, existem os que se recuam temendo o fim da existência humana, os que acreditam ser apenas em uma situação passageira, os que vêem oportunidades de realizarem afazeres, que há tempos não possuíam disponibilidades, por terem a rotina acelerada e cheia, os que mesmo assim descumprem as ordens de retenção e saem pelas ruas na ignorância de que não seja nocivo, e os que enxergam calamidades atrás de toda essa pandemia.

E como já se sabe, países da Europa, do continente Asiático e Africano passaram e ainda passam por prejuízos em suas estruturas populacionais.

Como não lembrar da Segunda Guerra? Um exemplo de devastação de boa parte da humanidade mundial. Já o Brasil, até hoje, não teve perdas quantitativas em acontecimentos desse nível, e já é estimado por noticiários o aumento em mortes no território brasileiro, segundo o G1 do Brasil sobre um estudo assinado por cientistas de juntos a alguns membros da OMS(Organização Mundial de Saúde).

A consequente perda econômica e os setores afetados no Brasil

Porém o caos se inicia com essas anomalias na Terra. Os movimentos econômicos foram paralisados, o que ainda funciona são estabelecimentos alimentícios, de medicamentos e abastecimentos no transporte. Mais da metade da população brasileira se encontra dependente dos economicamente ativos, e justo esses não funcionam em sua rotina normal.

Há funcionários que trabalham neste período de quarentena em seus lares, o chamado home-office, porém mesmo assim, a redução afetou drasticamente a economia, e agora todos sentem o impacto.

O Governo já solicitou com seus líderes uma medida provisória, que possa auxiliar os habitantes economicamente, a fim de que a situação financeira do país não caia drasticamente.

Porém este é um fato que atenderá um percentual pequeno do total de moradores dessa nação. O momento crítico é o que pode acontecer após essa devastação. Micro-empreendedores também receberão auxílio, pois em sua maioria, dependem da renda diária dos lucros para se estabelecerem financeiramente. Enfim, os setores brasileiros terão oportunidades de se reerguerem de alguma forma.

Numa matéria exibida pela TV Band Jornalismo, em seu canal no You Tube, o ministro da saúde Luiz Henrique Mandetta, explana todos os dados da contração da Covid-19 pelos brasileiros e alerta a população sobre precauções mais rigorosas pelo país.

Mandetta pede compreensão de todos sobre a precaução contra a COVID-19.

O futuro do Brasil pós COVID-19

O futuro diverge na opinião dos brasileiros, mas uma coisa é certa: com essa crise que está atingindo o Brasil, fica difícil uma estabilização rápida. Alguns perderão seus bens, venderão abaixo preço de custo para se manterem economicamente firmes, outros encontrarão oportunidades de crescer e se reinventar também. Uma crise desperta comportamentos surpreendentes, e independente de condição intelectual, a culpa por esta situação engloba o mundo.

O vírus pode não ter surgido no Brasil, porém o pensamento em medidas contraceptivas para qualquer que fosse o momento não existiu e nem foi questionado. Atitudes estão sendo tomadas, com base na cooperação, procurando estabelecer o envolvimento na causa para que o vírus possa ir embora, sem levar mais pessoas. O amanhã se discute, se organiza. Sem estar vivo, não tem como agir.

Siga a página Governo
Seguir
Siga a página Ciência
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!