A jornalista Flávia Freire, uma das mais "antigas de casa" no jornalismo da Globo, comunicou a amigos e familiares, na manhã desta quarta-feira, 8 de fevereiro, que vai deixar a Globo.

A bela de 42 anos, há quase 20 anos na Globo, alegou motivos pessoais para o pedido.

Publicidade
Publicidade

Ela irá morar em Portugal com o marido e se dedicará ao filho. Entretanto, nos bastidores, sabe-se que desde que Flávia retornou da gravidez, em abril de 2016, perdia espaço nas telas, substituindo uma apresentadora aqui, um jornalista acolá. Ela chegou a cobrir a licença maternidade de Mariana Ferrão, no "Bem Estar", matinal de saúde da Globo,e assumiu a bancada dos telejornais locais de São Paulo, também como substituta. Mas nada em definitivo.

Flávia Freire, da esquerda, pede demissão da Globo.
Flávia Freire, da esquerda, pede demissão da Globo.

Em e-mail enviado a colegas de redação, Flávia se despediu em tom de saudade e disse que se demitia por motivos pessoais.

Seu nome até chegou a ser cotado para substituir o jornalista que cobre notícias em Portugal, André Luiz Azevedo, mas perdeu força.

Seu afastamento começou quando foi excluída dos plantões do Jornal Hoje, exibido no sábado, e deixou de ser a primeira opção para substituir Tramontina e seu ex-marido, Cesar Tralli, no jornal diário de São Paulo, SPTV.

Publicidade

Chegou ainda a substituir Monalisa Perrone no Hora 1, mas nada efetivamente à sua altura.

Era sempre a segunda ou terceira opção.

Flávia estreou em Brasília, na Globo, nos idos de 1998, e logo chamou atenção e foi para São Paulo.

No e-mail de despedida, ela agradece a sua "segunda casa", a Globo, e a "segunda família", os colegas de profissão. Afirma que vai atrás de seu projeto pessoal e sentirá muitas saudades dos amigos que deixa no Brasil. Ainda brinca na carta dizendo que, em Portugal, há ótimos vinhos e que quem for a Portugal, entre seus colegas, que a procure.

Cabe lembrar também que a Globo tem feito uma grande reestruturação em seu jornalismo, demitindo nomes importantes, como Lacombe e Laurence no esportivo, e demissões de "antigos de casa" em suas afiliadas pelo Brasil e canais a cabo. Tudo, segundo Bonner, para dar mais leveza ao jornalismo global, como no vídeo abaixo. Chico Pinheiro aparece inovando no ar, aplaudindo uma matéria e fazendo um sinal de "paz e amor". Esse seria o melhor caminho para o jornalismo global?

Publicidade

Comente.

Leia tudo