Morreu na madrugada desta quarta-feira (10) Paulo Henrique Amorim. O jornalista tinha 77 anos e não resistiu a um infarto fulminante que sofreu em sua residência, localizada no Rio de Janeiro.

Relatos apontam que Amorim havia saído para jantar com amigos e conhecidos na noite desta terça-feira (9), na capital fluminense. Informação foi confirmada pela esposa de Paulo Henrique, a também jornalista Geórgia Pinheiro. Além da esposa, ele deixa também uma filha.

O comunicador deixa seu legado para toda a imprensa nacional, uma vez que trabalhou em diversos jornais, revistas e emissoras de Televisão do Brasil, dentre elas, TV Manchete, Rede Globo, Bandeirantes, TV Cultura e mais recentemente a Record TV.

Trajetória

Paulo Henrique Amorim nasceu no dia 22 de fevereiro de 1942. Ele deu início a sua carreira no jornal A Noite, no ano de 1961. Logo depois, morando em Nova York, tornou-se correspondente internacional para a revista Realidade e, em seguida, para a revista Veja.

Ainda como correspondente internacional em Nova York, trabalhou para as emissoras de televisão TV Manchete e, também, Rede Globo. Depois, no ano de 1996 deixou a emissora de Roberto Marinho para trabalhar na Bandeirantes, comandando o "Jornal da Band" e o programa "Fogo Cruzado".

Em seguida passou pela TV Cultura. No ano de 2003 foi contratado pela Record TV, onde teve oportunidade de ajudar a criar a revista eletrônica "Tudo a Ver" e três anos depois assumiu a apresentação do programa de informação e entretenimento "Domingo Espetacular", atração dominical da qual foi afastado no mês passado.

Amorim tinha contrato com a Record TV até o ano de 2021. No entanto, segundo informações do portal UOL, o jornalista era um crítico ativo na internet, por isso cravou diversas polêmicas e discussões com equipes diretivas da emissora em questão, principalmente depois do ano de 2014, quando a polarização política do Brasil ficou mais evidente.

Sentimentos

O jornalista Michael Keller trabalhou por quase uma década com Paulo Henrique e contou que por diversas vezes teve discussões com o jornalista, principalmente pelas divergências políticas e profissionais. Contudo, Keller ressaltou que as discussões eram saudáveis e que justamente por isso aprendeu muito com o comunicador.

"A discussão era salutar. Era uma pessoa com quem que aprendi muito pelo contraditório", disse Michael.

A apresentadora Ana Hickmann lembrou que sua carreira na televisão começou ao lado de Amorim no programa "Tudo a Ver", da Record TV. Emocionada, Ana revelou que o jornalista foi muito importante em sua vida profissional por conta dos muitos conselhos que ele dava para a modelo. “Ele falou, 'eu acredito em você'. Foi assim que comecei minha história na TV", completou Hickmann.

Siga a página Famosos
Seguir
Siga a página Televisão
Seguir
Siga a página Tendências
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!