Morreu na madrugada desta segunda-feira (18) o cantor Reinaldo, conhecido no mundo do Samba como o “príncipe do pagode”. Há cerca de quatro anos o artista lutava contra um câncer no pulmão e chegou a ficar internado no Hospital Albert Einstein, em São Paulo.

De acordo com informações passadas pela assessoria de imprensa do sambista, após passar mal ele chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu a uma parada cardiorrespiratória. O sepultamento irá ocorrer às 17 horas desta segunda-feira, no cemitério Bela Vista, em Osasco, na Grande São Paulo, e será aberto ao público.

Mesmo doente, Reinaldo, que havia completado 65 anos de idade no último dia 9, se mantinha trabalhando e deveria ter feito um show neste domingo (17), na Vila Madalena, em São Paulo. Em julho deste ano ao chegou a ser carregado ao passar mal durante uma apresentação ocorrida no Rio de Janeiro.

De bancário à príncipe do pagode

Nascido na zona norte do Rio de Janeiro, em 9 de novembro de 1954, Reinaldo Gonçalves Zacarias era bancário até o início da década de 1980, quando abandonou a profissão para se dedicar ao pagode e foi um dos divulgadores do gênero em São Paulo.

Seus principais sucessos ao longo da carreira de quase quatro décadas foram “Retrato Cantado de Um Amor”, que também é o nome de seu primeiro disco, gravado em 1986, “Sonhos e Inigualável Paixão” e “Trapaças do Amor”. Além do trabalho de estreia, gravou outros 16 discos, o último deles em 2017, intitulado “Uma Vida de Muito Samba”. Um dos melhores discos considerados pela crítica foi “Coisa Sentimental”, que lhe rendeu o Prêmio Sharp de melhor cantor.

Um de seus trabalhos mais icônicos foi “Pagode Pra Valer”, lançado em 1999, quando dispensou o uso de instrumentos eletrônicos, apenas usando instrumentos de percussão, como cavaco, tantã, repique, surdo, reco-reco e cordas.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Música

O sucesso foi tamanho que rendeu uma segunda edição no ano seguinte.

Em 1987 ganhou de uma rádio fluminense o apelido de “príncipe do pagode”. O próprio Reinaldo contou em entrevista que na época o locutor costumava dar apelido aos artistas e passou a chamá-lo de príncipe. “‘E agora Reinaldo, o Príncipe do Pagode’. Aí acabou ficando”, relembrou.

Sambistas lamentam perda de Reinaldo

Pela manhã, diversos artistas ligados ao samba usaram as redes sociais para lamentar a morte de Reinaldo e prestar-lhe as últimas homenagens.

“Obrigado por tudo que você sempre fez pelo nosso samba”, escreveu o cantor Dudu Nobre em seu Instagram.

“Que dia triste pro nosso Samba e pra Música brasileira! Seu legado nunca será esquecido”, postou o cantor Mumuzinho. “Não vou sofrer, pois sei que descansou em paz. Te amo”, foram as palavras escritas por Arlindinho.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo