A edição do Big Brother Brasil anteriormente havia tratado com um certo desdém a disputa entre Petrix e Pyong no primeiro Big Fone que teve no confinamento. Em meio à situação toda uma polêmica se formou a respeito da atitude do ginasta com o youtuber para atender o telefone na sua frente.

Mesmo com todas as evidências da irregularidade na prova, o programa decidiu que não daria para concluir se havia acontecido algo que não poderia durante o momento, que levou o atleta a se sobressair contra o hipinólogo. Para isso, encontraram como solução colocar os dois no Paredão, sem prova do Bate e Volta.

Para a conclusão, a edição mostrou apenas três vezes o vídeo do momento da disputa, que levou 30 segundos para ser exibido. O quadro todo em que a situação foi explicada para o público que cobrou um posicionamento, durou por volta de dois minutos e 30 segundos, isso tudo ainda com a explicação que foi dada pelo apresentador Tiago Leifert.

Muitas pessoas esperavam no momento que fosse utilizado o VAR, o árbitro de vídeo, que é comumente usado no futebol. No entanto, a edição não usou para comprovar a situação.

Mais um VAR no Big Fone do 'BBB20'

Agora, duas semanas depois do acontecimento, o Big Fone tocou novamente, e gerou mais um momento emocionante entre os participantes para ver quem iria conseguir atender o temido telefone.

Mas dessa vez não gerou duvidas em relação a disputa que aconteceu entre Pyong e Prior.

Felipe conseguiu sair na frente na disputa e atendeu o telefone. Contudo, desta vez em que tudo saiu da forma como deveria, a edição do programa resolveu mostrar o que os telespectadores queriam na primeira vez, em que muitas dúvidas pairavam no ar.

De uma forma inesperada, o VAR foi utilizado pela edição para mostrar o momento da corrida entre os dois participantes para atender ao Big Fone. Desta vez, a prova foi tratada com mais seriedade pelo visto, e a revisão em vídeo foi ativada para esse momento.

Desta vez o tempo total da apresentação do momento contando com as falas do apresentador foi de quatro minutos.

Em uma das repetições, a produção do programa chegou a chamar a atenção para um detalhe no momento em que Pyong tentou agarrar Prior, mas que acabou não conseguindo.

O momento, inclusive, ganhou uma versão em câmera lenta para mostrar que Pyong havia tentando agarrar o adversário na disputa. O recurso, no entanto, não foi utilizado para provar que Petrix havia agido de má fé com o mágico no momento em que os dois disputaram o primeiro Big Fone da edição.

Na corrida entre o atleta e o mágico, a produção optou por não utilizar nenhum dos recursos que poderiam provar ilegalidade na situação, e, ao invés de anular o que foi dito no telefone, o Big Boss deixou passar o momento apenas impedindo que tivesse a prova do Bate e Volta para que todos fossem ao Paredão.

Não perca a nossa página no Facebook!