Padre Marcelo Rossi não é só um líder religioso, ele se tornou um artista de grande sucesso e um formador de opinião e mesmo se afastando da mídia ele continua querido do público e de vez em quando, polêmico também, como agora em sua última declaração, onde comentando sobre política aconselhou a todos para não votarem em religiosos que se candidatam a qualquer cargo, seja prefeito, vereador, senador, deputado ou algum outro.

Não é de hoje que líderes das mais diversas religiões estão no mundo da política e em suas campanhas utilizam sua popularidade e conhecimentos a respeito da #Religião que pregam para conseguirem votos.

Publicidade
Publicidade

Padre Marcelo Rossi se mostrou totalmente contrário a isto.

"Eu sou totalmente contra, seja padre ou pastor. Está errado. Ou você é um líder religioso, ou você é um líder político", disse o padre que logo se tornou um dos assuntos mais comentados do Twitter nesta manhã de domingo (22) e dividiu opiniões. Muitos concordam com ele e acham que o padre ou pastor deve cuidar dos fiéis, entretanto há os que pensam diferente e não veem mal algum em ter estes religiosos usando a política para tentar melhorar a vida das pessoas.

Padre Marcelo ainda disse que a igreja Católica não tem candidato e nunca indica os que se arriscam e completou: "Eu tenho medo, a pior coisa é fanático, fuja dessas pessoas, pois são perigosas e facilmente se corrompem."

Na década de 90 principalmente, se tornou um dos maiores fenômenos de mídia no país, vendendo mais de 11 milhões de CDs.

Publicidade

Suas danças e coreografias agitavam os fãs e suas músicas eram tocas em praticamente todas as rádios. Ele ainda era convidado para ir aos programas de TV, onde se apresentava e ensinava como dançar suas canções.

Ele já enfrentou um sério problema recentemente, tendo que ficar em uma cadeira de rodas e também lutou contra uma depressão.

Seu comentário a respeito da política faz com que ele volte a se destacar na mídia, principalmente pela situação que o país enfrenta.

Você acha que o padre Marcelo tem razão? Ou religiosos devem sim, se envolverem com a política? Deixe abaixo seu comentário.

#Crise no Brasil #Fanatismo religioso