Um homem invadiu nesta terça-feira, 9, uma Unidade Básica de Saúde de General Salgado, interior paulista, portando um machado. Ele estava completamente descontrolado e fez as pessoas que estavam no local vivenciarem momentos de pânico e terror.

O homem queria a internação do irmão em um hospital psiquiátrico. As informações que chegaram à polícia foram que o suspeito esteve na mesma unidade de saúde dias atrás, onde seu irmão foi atendido por uma neurologista, mas a mesma afirmou não ter motivos para internação. A família ficou revoltada com a recusa da médica, pois o paciente é portador de problemas mentais e a família insistia para que ele fosse internado em um hospital psiquiátrico.

Publicidade
Publicidade

Com a recusa do pedido, o homem saiu do local ameaçando voltar e se vingar.

Segundo a polícia, pacientes esperavam na recepção para serem atendidos, quando o homem entrou na unidade de saúde em posse do machado e começou a golpear os móveis e balcão, saiu quebrando tudo em sua frente, demonstrando total descontrole, gerando pânico entre as pessoas que estavam no local, que não sabiam o que fazer.

Então uma funcionária se aproximou do homem e tentou fazer com que ele se acalmasse, e parasse de agir daquela maneira. Além de não conseguir, ela acabou sendo atingida com dois golpes do machado na cabeça. A mulher foi socorrida e levada para um Hospital em Rio Preto, onde passa por exames, e felizmente não corre risco de morte.

O homem foi detido pela policia e encaminhado para a delegacia, onde foi ouvido e liberado.

Publicidade

Ele vai responder por danos ao patrimônio público e lesão corporal.

E o mais impressionante foi que mesmo diante dessa confusão toda, e transtornos causados às outras pessoas,o homem conseguiu que seu irmão fosse internado em um hospital psiquiátrico, e recebesse cuidados especiais que precisava.

Depois do ocorrido, a prefeitura da cidade de General Salgado disse que a segurança na Unidade Básica de Saúde  será reforçada para garantir a integridade física de funcionários e pacientes no local. #Comportamento #Casos de polícia