Foi anunciada poucos dias atrás, a informação por parte da Embaixada dos Estados Unidos no Brasil, que certamente provocará opiniões e críticas contrárias de muitos brasileiros; sendo que, alguns dirão que se trata de um avanço geral nas relações entre a nação gigante dá América do Sul e o gigante mundial dos EUA, mas outros céticos acreditam que se trata de mais uma forma de manifestação do imperialismo norte-americano no país. O RDECOM (Comando de Engenharia, Desenvolvimento e Pesquisa do #Exército dos Estados Unidos) abriu as portas no dia 24 de março, de um escritório localizado no Consulado dos EUA na Zona Sul da Cidade de São Paulo, segundo as autoridades daquela nação com o único intuito de intensificar relações de parcerias diversas com o Brasil, no que diz respeito aos trabalhos nos campos da inovação e pesquisas.

Publicidade
Publicidade

Terão prioridade máxima os temas relacionados às denominadas pesquisas e intercâmbios de cunho profissional por parte desse Centro de Tecnologia norte-americano, focando-se basicamente nos nichos de engenharia e ciência.

Vale ressaltar que ao longo dos últimos cinco anos, o segmento destinado ao desenvolvimento e incursões em amplas pesquisas do Exército dos Estados Unidos desembolsou um valor superior a US$500 mil nos seguintes temas tecnológicos e acadêmicos: encontros e reuniões científicos, conferências e pesquisas diversificadas em território brasileiro.

Tanto é assim que Anthony Potts, detentor da importante patente militar de Brigadeiro-geral dos EUA, fez questão de frisar que o Exército brasileiro é simplesmente incrível, uma vez que os pesquisadores e cientistas brasileiros lideram com supremacia muitas das atividades inovadoras na área acadêmica em geral. Sendo assim, a partir dessa realidade, ambos os países optaram por trabalhar em conjunto nas ações, visando o desenvolvimento de novos projetos e das pesquisas mencionadas anteriormente, reiterou o Brigadeiro Potts.

Publicidade

Um exemplo notório de pesquisa que o Brasil e os EUA estão promovendo juntos é o desenvolvimento de veículos militares blindados estruturados sobre nanomateriais. A pesquisa conta com a participação de cientistas da Universidade de Minas Gerais e pesquisadores atuantes no Laboratório de Pesquisa do Exército.

A declaração oficial dos dois países à sociedade como um todo, ressalta que o Centro de Tecnologia tem como objetivo principal a aproximação dos pesquisadores e cientistas das duas nações, desempenhando paralelamente atividades empreendedoras de pesquisa, o que só trará valor agregado e fortalecimento das relações gerais entre os dois países, conforme expressaram as autoridades dos Estados Unidos.