As operadoras de internet fixa querem fazer o mesmo que já é feito com a #Internet móvel, ou seja, quando for atingido o limite de consumo, o cliente fica sem conexão. Isso tem gerado uma grande polêmica. Nesta segunda-feira (18), o presidente da Anatel, João Rezende, colocou mais lenha na fogueira ao afirmar que a Agência permite que as operadoras de internet fixa adotem um limite para consumo.

De acordo com João Rezende, a Agência Nacional de Telecomunicações nunca proibiu a prática deste tipo de negócio, e é permitido sim que seja feita uma cobrança adicional sempre que o consumidor ultrapassar o limite de dados estipulado.

Publicidade
Publicidade

Para ele, isto é importante para que as empresas continuem estimuladas a fazerem sempre novos investimentos.

O que acabou confundindo boa parte dos brasileiros nesta segunda-feira (18) é que a determinação publicada pela Agência está proibindo as empresas de reduzirem a velocidade da internet, cobrar excedente ou suspender os serviços tem validade apenas por 90 dias, ou seja, após este prazo as empresas poderão agir como sempre quiseram.

Durante os próximos 90 dias, as operadoras deverão apresentar quais são as ferramentas que possuem para ajudar o cliente a escolher o perfil certo para atender suas necessidades e ainda para que o consumidor seja alertado sempre que sua franquia estiver chegando ao fim.

Também é fundamental que as operadoras ofereçam uma forma do cliente acompanhar o seu consumo de dados para que possa ter um maior controle do quanto ainda tem disponível para acesso à internet.

Publicidade

A empresa que tiver este plano aprovado pela Agência já poderá começar a limitar o consumo de internet dos seus usuários.

O consumo limitado de internet já é utilizado pelas empresas de banda larga móvel, sendo que algumas apenas reduzem a velocidade quando a franquia tem seu limite atingido, outras cortam totalmente o acesso até que o cliente compre um pacote que ofereça mais dados.

O presidente da Anatel disse ainda que o consumidor brasileiro está "deseducado" por causa das próprias operadoras que nunca se preocuparam com esta questão e agora querem mudar de uma hora para outra, o que gera revolta dos clientes. #Crise #Desenvolvimento Tecnológico