Era para ser apenas uma tomografia. A estudante Petra dos Santos Helena de 18 anos estava com febre e dor de garganta há mais de 15 dias.

Os pais levaram a jovem em um otorrinolaringologista no hospital Vera Cruz de Campinas, 83 km de São Paulo, e foi solicitado uma tomografia para verificar se havia algum foco de pus e detectar o porquê da febre constante e depois entrar com tratamento por antibiótico.

Petra foi internada um dia antes do exame. Nela foi colocada uma pulseira vermelha, que sinaliza que a paciente é alérgica a alguns medicamentos.

O hospital pediu para que ela preenchesse uma planilha, na qual ela relataria a quais medicamentos ela era alérgica. Ao sinalizar alergia ao iodo, a paciente sinalizou que não tinha conhecimento de alergia ao produto.

O hospital informou que ao preencher os dados de praxe, a família e a paciente não tinha conhecimento a alergia ao contraste iodado. O exame foi realizado normalmente.

Só que Petra teve um choque anafilático. Ela foi transferida para a UTI, mas dois dias depois, a morte cerebral foi confirmada.

A incidência à alergia ao contraste de iodo é baixa na população. 1 caso para cada 150 mil pessoas que fazem o exame.

O contraste de iodo é usado também em exames de ressonância magnética e raio X.

O uso do produto é necessário para que torne o exame por imagem menos doloroso.

As reações ao produto são variadas. Vômitos, coceira, tontura e irritação são alguma delas.

Além das reações citadas, uma reação rara pode ocorrer: o paciente pode desenvolver fibrose nefrogênica sistêmica, por conter a substância gadolínio, um metal que é tóxico ao nosso organismo que pode levar a morte, principalmente nos casos de pacientes que tenham alguma disfunção renal.

Vai ficar por fora de assuntos como este?
Clique no botão abaixo para se manter atualizado sobre as notícias que você não pode perder, assim que elas acontecem.
Polícia

O médico responsável pelo exame, Jamiro Wanderley, acredita que o incidente foi mais uma fatalidade do que uma negligência.

O pai de Petra acredita que a morte da filha que havia acabado de passar no vestibular para psicologia, poderia ter sido evitada, e por isso, vai processar o hospital.

O apelo do pai para a justiça, é que os hospitais fiquem mais atentos a possíveis casos como esse, para que não aconteça com outras pessoas.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo