A tão sonhada estabilidade no emprego conseguida através de muita dedicação e anos de estudo e formação pode estar em risco: o governo federal vai solicitar autorização, via projeto de lei, objetivando poder demitir servidor federalpara fins de 'economia'.

Após prever um rombo no superávit primário de quase R$ 100 bilhões por conta da queda de arrecadação e o fraco desempenho da economia, o governo enviará para avaliação do Legislativo o projeto que, se aprovado, permitirá que ele possa demitir o servidor federal admitido via concurso público.

Contraditoriamente, a Central Única dos Trabalhadores (CUT), da qual a Confederação Nacional dos Servidores Federais (Condsef) é filiada, é uma das maiores apoiadoras do governo petista de Dilma Roussef

A categoria enfrentou diversos problemas e várias reuniões frustradas em busca de reajustes e acordos que sequer cobriam a inflação, enquanto o governo federal alegava não ter recursos, porém concedia subsídios bilionários a montadoras veiculares e reduzia o IOF de eletrodomésticos da chamada 'linha branca'.

O projeto de lei foi batizado pelo ministro do Planejamento, Nelson Barbosa, como 'projeto de lei complementar com a reforma fiscal de médio e longo prazo'. Nele o governo tentará em um primeiro momento "incentivar o servidor federal a pedir demissão do serviço público".

No que chamou de "programa de demissão voluntária", Nelson prevê que o governo federal faça acordos financeiros a fim de que o servidor federal receba uma compensação no primeiro momento e 'abra mão' de seu cargo público.

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Política

Este é o segundo projeto de lei que o ministro envia à apreciação do Legislativo com a finalidade de 'reforma fiscal'. No primeiro que foi enviado, havia a previsão de que o governo pudesse congelar o aumento real do salário mínimo.

Embora a chamada 'base aliada' do governo federal possa, na teoria, ser considerada como maior do que a de seus opositores, na prática os governistas sabem que dificilmente terão apoio para esse tipo de projeto, que além de impopular, fere diretamente a base eleitoral do próprio governo, o servidor federal.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo