Na manhã dessa sexta-feira, 17 de fevereiro, saiu na internet a notícia que o governo Temer pagou dois canais do YouTube para falarem bem da #reforma do ensino médio. O canal "Você Sabia?", apresentado por Lukas Marques e Daniel Mologni, é o que mais está sendo bombardeado pelos comentários revoltados dos fãs. Já o do Pyong Lee, até o momento, não teve muitos comentários, mas já havia uma especulação do pagamento feito pelo governo.

O site do jornal "Folha de São Paulo" publicou a denúncia. Os canais "Você Sabia?" e "Pyong Lee" foram os citados no site. Segundo eles, o canal de Lukas e Daniel recebeu R$ 65 mil para fazer os vídeos em forma de informativos, mas que, na verdade, eram apenas publicidade.

Usados como estratégia para convencer os jovens a aceitarem a reforma como algo favorável e benéfico para a educação e o futuro do país.

As pessoas que acompanham os canais não deixaram barato. "Decepcionado com o canal, esperava muito mais de vocês...", disse um dos internautas, com o perfil chamado Gabriel Ferreira. "Agora faz um vídeo só com os pontos negativos pode ser?", criticou o perfil com o nome Dyuri Pessoa. "Eu gostava do canal justamente por parecer espontâneo e engraçado... Pagos pelo Temer pra elogiar né? Bonito", comentou Caroline Alamo, como se apresenta no #YouTube. Esses comentários são encontrados no vídeo "TUDO QUE VOCÊ PRECISA SABER SOBRE O NOVO ENSINO MÉDIO!!" do "Você Sabia?".

O canal do Pyong Lee já vinha sendo rechaçado há mais tempo. Comentários como "O Governo pagou quanto?", vêm sendo respondidos hoje, mas foram postados há cerca de um mês.

Os melhores vídeos do dia

A Medida Provisória que o governo Temer deseja implementar está causando discussão desde o ano passado. Muitos são a favor por poderem escolher as matérias que mais lhes interessam. Quem é contra afirma que matérias como História, Geografia, Filosofia e Sociologia, importantes para o desenvolvimento reflexivo dos alunos, serão abolidas da grade. Outros afirmam também que trabalham e estudam, e com a reforma, teriam que abandonar os estudos ou o trabalho. #Michel Temer