Um vídeo com cenas de espancamento violento contra uma jovem voltou a circular nas redes sociais nesta segunda-feira (6), às vésperas do data em que se celebra o Dia Internacional da Mulher.

No vídeo, um sujeito faz questão de registrar, com a ajuda de uma terceira pessoa, os chutes, socos e outros golpes contra uma moça, que supostamente é sua companheira ou namorada.

As cenas são fortes. De acordo com o material que está sendo veiculado, as agressões são uma vingança.

Publicidade
Publicidade

O criminoso teria encontrado um vídeo onde a companheira aparece dançando de forma sexy para vários homens. Ao assistir o conteúdo, teria perdido o controle e partido para a violência física.

De forma premeditada, e criminoso registrou a lição na jovem, em uma sequência de imagens repugnante.

Primeiramente o vídeo mostra a parte em que a vítima está dançando em cima de um balcão de bar. Ela está de roupa curta, em uma espécie de festa, com muitos homens em volta.

Publicidade

O som fica por conta de uma conhecida música de funk, com letra nitidamente depreciativa e ofensiva às mulheres.

Depois da performance musical, começa a sequência de pancadas. O homem chuta, arrasta a mulher pelos cabelos, a ameaça e a xinga de todas as formas. O homem que o ajuda na tarefa, filmando a violência, sugere que o agressor corte o cabelo da vítima. Ele chega a perguntar se há uma tesoura por perto.

“Vagabunda. É gostoso dançar para os outros?

Não perca as últimas notícias!
Clique no tema que mais te interessa. Vamos te manter atualizado com todas as últimas novidades que você não deve perder.
Polícia

Você acha que eu sou um bunda mole né? Filha da p...”, xinga, sem parar de dar pontapés.

A terceira sequência de imagens mostra o mesmo homem já cortando os cabelos da vítima, enquanto ela chora.

Impiedoso, ele manda que ela tire a mão da cabeça e continua com a humilhação. “Isso é pra você ver o que é se meter com bandido”.

O vídeo termina depois de dois minutos e cinquenta e três segundos. É mais um exemplo, na semana que comemora o Dia Internacional da Mulher (8 de Março), do quanto ainda é preciso avançar na luta contra a violência e todas as outras formas de opressão contra o público feminino brasileiro.

Não perca a nossa página no Facebook!
Leia tudo