Mais uma polêmica envolvendo Animais aconteceu esta semana, dessa vez foi na Escola Hípica de Brasília onde um cavalo serviu de tela para crianças pintarem e rabiscarem à vontade. Os alunos participavam de uma colônia de férias na citada escola e como atividade recreativa foi proposta uma manhã de pintura, só que a tela era um dos cavalos do local. Monitores deram autorização para que usassem canetinhas de cores variadas e desenhassem à vontade.

Várias ONGs já se manifestaram contra tal prática alegando maus tratos a animais, porém a hípica justifica se apenas uma atividade pedagógica. De acordo com a fiscalização não houve dano algum ao animal, pois o mesmo mostrava-se o tempo todo relaxado e aparentava boas condições físicas, porém mandou de imediato uma notificação aos responsáveis pelo ato para que apresentem o programa pedagógico, só então o Ibama poderá manifestar-se.

Segundo a advogada e ativista Ana Paula Vasconcelos, que compartilhou a imagem nas redes sociais, relatou de forma sarcástica a atitude. "Eles tiveram a brilhante ideia de colocar o cavalo como tela de pintura", ironizou a moça e também reclamou que alegaram ser um cavalo resgatado. "A crueldade é a mesma", lamentou. Na imagem dá bem para perceber as tintas espalhadas pelo dorso, patas e focinho do cavalo. Ainda revoltada, a ativista disse que isso, da parte de uma escola, é um desserviço, pois as ONGs tentam a todo custo ensinar o respeito aos animais e de repente são colocadas para exercer uma atividade contrária.

De acordo com Muriel Marques, responsável pelo marketing da Escola de Equitação da Hípica, a tinta é atóxica e não prejudica nem o animal nem ss crianças, além do mais isso é bem comum em países de fora e, aos poucos, está sendo implantado no Brasil.

Ele ainda tranquiliza pais e ativistas dizendo que após a recreação os alunos vão ajudar a lavar o animal e a tinta sai fácil. "É visível que o animal está tranquilo, que não estava estressado", afirmou o funcionário. A escola manifestou-se dizendo estar a favor da atividade, isso serve de incentivo para a crianças perder o medo do animal e ajuda outros com necessidades especiais.

Órgãos se manifestam

A hípica recebeu a visita de fiscais do Ibama (Instituto Brasileiro do Meio Ambiente) e Ibram (Instituto Brasília Ambiental) com notificações, neste último final de semana, porém não foi autuada. Para os fiscais não foi configurado maus tratos e o cavalo apresentava boas condições físicas.

A escola terá que apresentar um laudo veterinário comprovando se de fato o animal está bem tratado, além do plano pedagógico passar por uma avaliação, e só então o órgão irá se pronunciar.

Siga a página Animais
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!