Em Boa Vista, Roraima, um bebê de apenas 1 ano e 6 meses levou 14 mordidas pelo corpo.

O episódio se deu durante o período em que a criança estava sob os cuidados de babás e professores de uma creche particular, onde o mesmo encarava seu seu primeiro dia de aula.

Bebê de apenas 1 ano sofre uma série de mordidas

Nesta última quarta-feira (6), uma mulher de 32 anos de idade, que preferiu não ter sua identidade revelada, abriu um boletim de ocorrência, alegando que seu filho, um bebê de apenas 1 ano e meio, foi agredido com uma série de mordidas pelo corpo, durante um breve período em que passou na creche.

Após deixar o filho sob os cuidados das professoras para seu primeiro dia de aula, uma funcionária da creche-escola infantil ligou às 11h da última segunda-feira (4), informando que uma outra criança, colega de classe de seu filho, havia mordido seu bebê.

Afirmando que após as mordidas seu filho estava com algumas marquinhas pelo corpo, a mãe do bebê, juntamente do pai do menino, se dirigiram imediante à creche onde haviam deixado o filho horas antes.

Mãe se desespera ao ver o filho com o corpo todo marcado por mordidas

Chegando na escola acompanhada pelo marido, a mãe da criança foi logo procurando pelo filho e ao encontrá-lo, ela percebeu que ele estava sem chorar, porém sendo confortado pela professora que o segurava no colo.

Ao se aproximar do bebê, a mãe percebeu que a professora aparentava estar demasiadamente preocupada e, por conta disso, imediatamente após passar o bebê para a mãe, começou a se justificar, afirmando que a situação não havia acontecido por sua culpa.

Ao ver as fortes marcas de mordida pelo corpo do filho, a mãe começou a gritar desesperadamente, a fim de que lhe dissessem o que de fato havia acontecido com o menino.

De acordo com a matriarca, o menino estava todo inchado e repleto de hematomas pelo do corpo.

Mãe registra BO e bebê passa por exame de corpo de delito

Após a 1do boletim de ocorrência por parte dos pais do bebê, o mesmo foi submetido a um exame de corpo de delito no Instituto Médico Legal, a fim de comprovar as marcas que trazia pelo corpo.

A mulher, que além do bebê também tem uma filha de 5 anos que estuda na mesma escola onde tudo aconteceu, revelou que ambos os filhos terão suas matrículas canceladas no local e uma denúncia foi feita contra o lugar no Conselho Tutelar.

Com a abertura do BO, os pais do bebê buscam uma explicação para o que realmente aconteceu ao menino.

Siga a página Maternidade
Seguir
Não perca a nossa página no Facebook!